Oficiais combatentes do tráfico na República de Camarões, região da África Central, realizaram uma grande ação contra o comércio ilegal de animais selvagens. Eles apreenderam 106 presas de elefante e enviaram um traficante de marfim para a cadeia.

O lote de marfim apreendido pelos Agentes do Ministério de Florestas e Vida Selvagem do país (MINFOF) pesava quase 200 quilos. A operação aconteceu perto da cidade de Djoum, no início de maio.

O grupo de agentes também realizou uma operação em dezembro de 2017 que resultou na apreensão de 216 presas de marfim, que pesavam quase 400 kg. Essa ação ocorreu perto da Reserva de Fauna Dja, um Patrimônio Mundial da UNESCO no sul do país, e foi a maior apreensão de marfim de Camarões.

A equipe do MINFOF recentemente passou por um treinamento com especialistas em cumprimento da lei de conservação da Zoological Society of London (ZSL). Eles receberam instruções sobre coleta de evidências, direitos humanos e reconhecimento de produtos da vida selvagem.

“Apreensões como essa terão um impacto de conservação mais amplo, para além das fronteiras de Camarões”, disse Chris Ransom, chefe de programas de conservação da ZSL em comunicado. Ele chamou os resultados da operação de “um testemunho do que pode ser alcançado quando organizações colaboram na aplicação de leis do país”.  

“Conforme as rotas de contrabando vão tendo seu policiamento reforçado, os caçadores e traficantes vão se tornar mais relutantes em se engajar no comércio, resultando em menos elefantes sendo mortos por suas presas”, comentou Ransom.

Elefantes da floresta são mortos para terem suas presas arrancadas

Camarões abriga um dos últimos refúgios remanescentes do elefante da floresta. (Foto: reprodução)

Embora geneticamente diferentes dos seus “primos” da savana, os elefantes da floresta ainda são classificados como parte da mesma espécie. Os elefantes africanos são listados como Vulneráveis ​​na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN  , enquanto os elefantes da floresta da África Central são classificados na categoria superior de ameaçados de extinção.

O comércio de marfim tem dizimado as populações de elefantes florestais na Bacia do Congo nos últimos 10-20 anos. A estimativa é que houve um declínio populacional de cerca de 60% entre 2002 e 2012.

As populações remanescentes continuam a enfrentar pressões consideráveis, que são pioradas pela instabilidade política da região.

A ZSL continua a fornecer apoio pós-investigativo às autoridades locais através dos seus especialistas em aplicação da lei na República de Camarões e em Londres.

Atualmente, o comércio ilegal de animais silvestres representa a quarta maior indústria ilícita do mundo, ao lado de tráfico de drogas, armas e seres humanos.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/06/106-presas-elefante-apreendidas/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.