Um estudo publicado na revista Nature afirma que mudar para o veganismo, reduzir pela metade o desperdício de alimentos e melhorar as práticas agrícolas existentes pode alimentar a população mundial projetada de 10 bilhões até o ano de 2050.

A descoberta foi feita por pesquisadores do Centro de Resiliência de Estocolmo. O estudo foi o primeiro a quantificar como a produção global de alimentos e os hábitos alimentares afetam as fronteiras planetárias, que permitiriam que a humanidade se sustentasse.

“Nenhuma solução única é suficiente para evitar cruzar fronteiras planetárias. Mas quando as soluções são implementadas em conjunto, nossa pesquisa indica que pode ser possível alimentar a população em crescimento de forma sustentável ”, disse o principal autor do estudo, Dr. Marco Springmann do Programa Martin Martin.

Os pesquisadores descobriram que não é possível mitigar com sucesso a mudança climática sem uma mudança mundial para uma dieta baseada em vegetais, observando que mais indivíduos deveriam adotar hábitos alimentares mais flexíveis.

Estudo apontou que mudança global para o veganismo poderia alimentar 10 bilhões de pessoas (Foto: Pixabay)

Enquanto um estudo de julho de 2017 publicado na revista Climatic Change mostrou que reduzir conscientemente o consumo de carne diminui a pegada de carbono de um indivíduo, a análise recente e detalhada de produção de alimentos afirma que uma dieta vegana é o meio mais eficaz de combater as alterações climáticas.

“Sem uma ação concertada, descobrimos que os impactos ambientais do sistema alimentar poderiam aumentar de 50% a 90% até 2050 como resultado do crescimento populacional e do aumento de dietas ricas em gorduras, açúcar e carne”, continuou ele.

“Nesse caso, todas as fronteiras planetárias relacionadas à produção de alimentos seriam superadas, algumas delas por mais de duas vezes”.

A melhoria da tecnologia agrícola e das práticas de manejo agrícola que regulam o uso da terra, água doce e fertilizantes, bem como o aumento do rendimento agrícola das terras agrícolas existentes, também foram meios apontados para reduzir pela metade o impacto ambiental da indústria.

Segundo os pesquisadores, a implementação de todas as mudanças poderia reduzir as emissões de gases de efeito estufa em mais da metade.

“Muitas das soluções que analisamos estão sendo implementadas em algumas partes do mundo, mas será necessária uma forte coordenação global para que seus efeitos sejam sentidos”, continuou Springmann.

Muitos líderes mundiais e pesquisadores estão percebendo que a ação imediata é necessária para que a humanidade se sustente, após uma apresentação no início desta semana pelo Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas.

O relatório pede aos governos mundiais que façam “mudanças sem precedentes” em todos os aspectos da sociedade, a fim de evitar desastres ambientais provocados pelo aquecimento global.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/10/adocao-mundial-do-veganismo-poderia-alimentar-10-bilhoes-de-pessoas/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.