Agropecuária tem ido além de derrubar a mata nativa e contribuir com quase 70% das emissões de gases do efeito estufa no Brasil (Foto: OC)

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tem mais de 350 milhões de hectares ocupados por atividades agropecuárias. Desse total, 200 milhões são apenas de pastagens, e um grande percentual dessas áreas já sofre as consequências da degradação associada ao mau uso da terra.

De acordo com a divisão de monitoramento por satélite da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), de um total de 172 milhões de hectares de pastagens avaliadas, mais de 60% está em estágio de degradação. Isso pode explicar o interesse cada vez mais crescente de agropecuaristas de várias regiões do Brasil pelas terras ainda virgens da Amazônia.

No entanto, esse interesse não é recente considerando que a floresta amazônica se manteve intacta só até a década de 1970, quando a quantidade de gado equivalia a um décimo do rebanho da atualidade. Com o passar dos anos e a intensificação do desflorestamento, hoje encontramos uma área que pode ser comparada à extensão territorial da França desmatada. Desse total, 66% transformada em pasto.

Até mesmo o solo da maior floresta tropical do mundo tem sofrido as consequências da agropecuária, e não apenas pela associação da atividade com o desmatamento, mas também porque muitas áreas amazônicas ocupadas pela agropecuária já estão comprometidas pelo mau uso da terra – assim como aconteceu em outras regiões do país.

Segundo a Embrapa, só na Amazônia Legal cerca de 40% das pastagens estão degradadas ou em processo de degradação. Isso prova que a agropecuária não tem apenas derrubado a mata nativa e contribuído com quase 70% das emissões de gases do efeito estufa no Brasil, conforme dados do Observatório do Clima, mas também danificado o solo, inclusive o tornando pobre e até mesmo improdutivo.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/01/agropecuaria-esta-causando-degradacao-do-solo-da-amazonia/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.