Pesquisas feitas pela Associação Americana de Saúde do Coração afirmam que o convívio com animais de estimação diminui o risco de doenças cardíacas

Cada vez mais as pessoas estão abrindo os seus lares para animais de estimação. De acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), feita com dados colhidos em 2013 e divulgados no final de 2015, 44,3% dos lares brasileiros possuem pelo menos um cachorro. Contudo, acredita-se que este número cresceu com o passar do tempo. Isso só evidencia o quanto os cães estão presentes no cotidiano da sociedade e o quanto são queridos.

Mas, claro, toda esta realidade tem um porquê. Todo tutor sabe o quanto os cachorros conseguem tornar um dia estressante em um dia feliz, basta pular de alegria ao reencontrar o dono, segui-lo por todos os cantos da casa ou balançar o rabinho enlouquecidamente ao ouvir a voz do tutor. Estas e outras atitudes podem transformar o dia de qualquer pessoa.

E quem acha que os benefícios de se ter um animal em casa refletem apenas em questões emocionais, está enganado. Segundo pesquisas feitas pela Associação Americana de Saúde do Coração, é possível relacionar o convívio de animais de estimação com a diminuição de risco de doenças cardíacas e de maior longevidade. Outros estudos, por exemplo, indicam que a relação entre pessoas e animais também proporciona a prevenção de depressão, ansiedade e estresse na saúde do tutor.

Animais de estimação ajudam a lidar com depressão, ansiedade e estresse

Foto: depositphotos

Como os animais de estimação ajudam as pessoas?

Evitam a depressão ou ajudam a tratá-la

Levando em consideração alguns estudos, os tutores com mais de 65 anos diminuem a frequência de idas no médico em até 30%, enquanto que os que não possuem animais de estimação mantém a mesma periodicidade. Isto significa dizer que quem possui um pet em casa não costuma apresentar tantos problemas de saúde.

A depressão é um dos exemplos de doenças que pode ser evitada com a presença de um animal em casa, tendo em vista que a companhia do pet é capaz de aliviar o sentimento de solidão. No caso dos cães que precisam de mais exercícios e passeios, faz com que o tutor saia de casa e conheça outras pessoas, sejam elas outros tutores ou quem gosta de animais. Fazer novas amizades é essencial para quem está com depressão ou com princípios deste problema.

Além disso, a prática de exercícios provoca a liberação de substâncias no corpo que melhoram o humor e, consequentemente, evitam a depressão. Por isso que é indicado levar o cachorro para caminhar, correr ou brincar de forma diária. Faz bem para ele e também para quem o guia.

Previnem o sentimento de ansiedade

Organizar o dia é uma maneira de evitar a ansiedade e esta é também a melhor forma de cuidar de um animal, uma vez que ele precisa de uma rotina para viver bem. Portanto, é necessário programar os momentos de comer, brincar, passear, dormir etc. Este tipo de atitude ajuda o ser humano a diminuir os níveis de ansiedade que podem surgir devido a falta de estrutura e rotina no cotidiano das pessoas.

Inibem o estresse

Mesmo quem já possui hipertensão pode se beneficiar com a presença de um animal de estimação em casa. Basta conviver com o pet para que os níveis de pressão arterial alta baixem significativamente, uma vez que a relação com o cão pode provocar a elevação de serotonina e dopamina, relaxando e acalmando o organismo.

O ato de tocar no animal, fazer carinho, conversar com o cãozinho ou simplesmente ver a alegria do pet ao reencontrar o tutor em casa podem ser as situações de alívio para um dia estressante. Pois só o contato com o animal é capaz de provocar a sensação de calma no tutor.

Fonte Oficial: http://www.clubeparacachorros.com.br/tabombando/animais-de-estimacao-ajudam-lidar-com-depressao-ansiedade-e-estresse/.