Criado na ensolarada Califórnia e mimado como um príncipe, Buck se habituou a ver os seres humanos como provedores de carinho e conforto; confia neles mais do que deveria, como descobre ao ser raptado e ter seu primeiro encontro com um homem mesquinho e um pedaço de pau, e sofrer com a fome, a sede e a maldade. Cruzamento de são-bernardo com pastor-escocês, Buck pesa perto de 70 quilos e é bem coberto de pelos — um candidato ideal a puxar trenós no clima inclemente do remoto território do Yukon, no Canadá, onde a descoberta de ouro criou uma corrida de aventureiros e fez disparar a procura por cães fortes como ele. Buck não escapa de ser maltratado por gente cruel, mas, outras vezes, a sorte o favorece, como quando ganha um propósito na companhia do casal (Omar Sy e Cara Gee) que leva a correspondência até os últimos pontos habitados da região.

+ Compre o livro digital ‘O Chamado da Floresta’

Aos poucos, Buck vai deixando de ser mascote para se tornar, mais e mais, criatura — um processo que se completa na sua convivência com John Thornton (Harrison Ford), um homem que quer se afastar tanto quanto possível dos demais, e com quem o cão forma um vínculo de igual para igual (ou, melhor dizendo, de diferente para diferente). Adaptado do clássico O Chamado Selvagem, publicado em 1903 pelo escritor americano Jack London, O Chamado da Floresta (Call of the Wild, Estados Unidos, 2020), já em cartaz no país, é uma aventura à moda antiga, no bom sentido do termo: tem atores cativantes, paisagens intocadas, história arrebatadora e respeito salutar pela natureza animal — além de um cachorrão que, apesar de digital, é irresistível.

+ Compre o filme ‘Dr. Dolittle’

Publicidade

BALBÚRDIA – Harry Collett e os bichos tagarelas: fantasia caóticaUniversal Pictures/.

Se O Chamado da Floresta vai se desdobrando naquele compasso tão satisfatório das sagas, em que um evento necessariamente leva o protagonista ao episódio seguinte, a fantasia Dolittle (Estados Unidos/Inglaterra/China, 2020), também em cartaz, sofre com o ritmo frenético imposto à história de como o doutor John Dolittle (Robert Downey Jr.), que tem o dom de conversar com os animais, é obrigado a sair de sua reclusão para reverter uma conspiração contra a rainha Vitória com a ajuda de seus bichos, de uma jovem dama de companhia (Carmen Laniado) e de um aprendiz (Harry Collett). O elenco, completado por Antonio Banderas, Michael Sheen e Jim Broadbent, é bom, e os efeitos digitais que dão vida à bicharada falante são de primeira. O resultado, porém, é uma balbúrdia. No seu diálogo sem palavras entre um homem e um cão, O Chamado da Floresta é bem mais eloquente.

Publicado em VEJA de 26 de fevereiro de 2020, edição nº 2675

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


O Chamado da Floresta

Coleção Indiana Jones – A Aventura Completa

Quatro Vidas de Um Cachorro

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Dr. Dolittle

Dr. Dolittle 2

Dr. Dolittle 3

História do Doutor Dolittle

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

 

 

Fonte: Veja.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.