Depois de chamar a atenção da mídia com atos a favor do veganismo na última semana, o grupo de defesa dos animais Anonymous for the Voiceless voltou às manchetes.

Uma postagem de Facebook da organização, escrito pelo ativista George Martin, se tornou viral. Com mais de 2.000 compartilhamentos, ele comparou a maneira como tratamos diferentes animais.

Martin foi didático e muito honesto em cada uma das situações relatadas. Com sucesso, atingiu sua meta: fazer com que pessoas ao redor do mundo se questionassem por dias sobre o quando as violências direcionadas aos animais é sempre julgada por um sistema de “dois pesos, duas medidas”.

“Corte a garganta de um cachorro: Assassino de animais. Corte a garganta de um porco: Ciclo da vida,” estava escrito em uma parte do post. “Arranque as penas de um papagaio: Ser humano doentio. Arranque as penas de um ganso: Uau, esses travesseiros são tão confortáveis,” dizia outra.

As palavras foram certeiras ao revelar a hipocrisia das falas de quem de alguma forma tenta justificar como questões culturais ou religiosas os maus-tratos e abusos a que certos animais são submetidos – como se não houvesse alternativas.

“Mate um gato para um festival religioso e dê graças sobre seu cadáver: Bárbaros descivilizados. Mate um peru para um festival religioso e dê graças sobre o seu cadáver: Natal,” Martin escreveu.

Protestos da semana passada, em Brixton (Reprodução)

No texto, ele também contrasta o ato horrível de jogar um cão em água fervente como “selvagem, descivilizado, grotesco,” com o ato de jogar uma lagosta em água fervente – “bom jantar”.

“Isso torna tudo tão claro e aponta para a hipocrisia óbvia e as desculpas esfarrapadas que são dadas dia após dia,” disse um comentário na postagem. “Fico feliz por ser vegano.” “Muito bem colocado. É hora de parar com esse comportamento ilógico,” apontou outro.

Enquanto muitos começaram a repensar suas práticas e atitudes, e concordaram com o que estava escrito, outros passaram boa parte do tempo em defesa da exploração de determinadas espécies – principalmente das que estavam relacionadas à pecuária.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/06/ativista-usa-redes-sociais-para-debater-especismo-e-relacoes-humanas/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.