O ator João Vicente de Castro usou as redes sociais para se posicionar contra o cativeiro e o tráfico de animais silvestres. Ele publicou uma foto de um ensaio fotográfico contra a exploração e a crueldade animal do qual ele e outros famosos fizeram parte. Na foto, João Vicente aparece preso por cordas.

(Ampara Animal/Divulgação)

“As razões pelas quais os humanos me querem são muitas. Admiram minha beleza, acham que sou diferente, exótico, ‘cool’ ou que trago ‘status’. Mas eu me pergunto: com que direito me domesticaram? Eu quero estar em meu habitat, não dentro da sua casa. Quero exercer meu papel biológico, não virar um bibelô para te satisfazer”, escreveu o ator.

“Você pode justificar dizendo que sua compra é legalizada, mas o que não sabe é que grande parte dos criadores contribuem para o tráfico. Não há como assegurar que eu ou minha mãe não fomos capturados da natureza. Os humanos não querem saber que, a cada dez de nós, nove acabam morrendo na captura ou durante o transporte. Que o tráfico de animais silvestres é o terceiro maior do mundo. Então, se você me admira, deixe-me em paz, na natureza. Aprenda a me observar na natureza, sem me tocar e confinar”, completou.

A legenda da foto é finalizada por João Vicente com a hashtag #sintanapele, que remete ao nome do projeto fotográfico promovido pela ONG AMPARA Animal. O objetivo das fotos é fazer com que as pessoas se coloquem no lugar dos animais.

A publicação de João Vicente já ultrapassa 46 mil curtidas. Os seguidores do ator aplaudiram a iniciativa. “Super impactante quando tentamos nos ver no lugar dos animais”, escreveu um internauta. Outro seguidor lembrou que o único caminho para não colaborar com o sofrimento e a exploração de nenhum animal é se tornar vegano. “Veganismo é a única forma de abolição dos animais”, disse.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/02/joao-vicente-se-posiciona-contra-cativeiro-trafico-animais/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.