Boto cor-de-rosa, com um comportamento que chamou a atenção (Foto: Everton Tavares/Instituto Mamirauá)

Uma equipe do Instituto Mamirauá resgatou uma fêmea de boto-vermelho, conhecido na região como boto cor-de-rosa, presa em uma rede de pesca no lago Jutaí, estado do Amazonas. O caso ocorreu no dia 16 deste mês, segundo divulgado pelo Instituto.

De acordo com o Instituto Mamirauá, uma equipe finalizava um trabalho de monitoramento de botos na hora do ocorrido. Ao atravessar o lago, avistaram um animal da espécie Inia geoffrensis, o boto cor-de-rosa, com um comportamento que chamou a atenção, quase em cima de um malhadeira (tipo de rede de pesca).

Aparentando cansaço e com dificuldades de respirar, a fêmea de boto cor-de-rosa se mexia inquieta durante todo o salvamento.

Apesar de relatos de botos presos em redes de pesca serem comuns entre pescadores e moradores de comunidades ribeirinhas, essa foi a primeira vez que os pesquisadores se depararam com um caso de boto acidentalmente enredado na região.

Por mais de dois anos, o grupo do Instituto Mamirauá tem realizado trabalhos periódicos em setores da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, como o lago Jutaí, onde a fêmea de boto cor-de-rosa foi encontrada. O objetivo das expedições, que acontecem a cada dois meses, é fazer a contagem de tucuxis, de coloração cinza, e botos vermelhos em porções de lagos e rios da reserva para fazer uma estimativa populacional, pensando na conservação das espécies.

O boto-vermelho ou boto cor-de-rosa já foi considerado um animal vulnerável, segundo a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e hoje consta na classificação como “dados insuficientes”, passando por nova avaliação por conta da quantidade limitada de dados abrangentes sobre a ecologia, populações e ameaças à espécie na Amazônia.

Fonte: G1

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/08/boto-cor-de-rosa-e-resgatado-apos-ficar-preso-em-rede-de-pesca/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.