Por Jennifer Viegas

Pesquisas sugerem que certos brinquedos para cães contêm substâncias químicas que podem levar o animal a ter problemas de saúde, de acordo com uma apresentação da Sociedade de Toxicologia Ambiental e Química, em conferência realizada na Califórnia.

Os piores candidatos parecem ser os bastões de plásticos, também chamados de “bumpers” em inglês, usados para treinar os cães para buscá-los.

Phil Smith, co-autor do estudo com a pesquisadora Kimberly Wooten, afirmou em um comunicado à imprensa que “o processo de treinamento em laboratório exigiu muito trabalho. Tenho vários bastões em casa e meus cães passam muito tempo com eles na boca. Há uma grande preocupação em relação às substâncias presentes nos plásticos e seus efeitos sobre os seres humanos. Como todos querem que seus cães sejam saudáveis e inteligentes, decidimos investigar isso”.

Smith, que também treina e caça com cães da raça labrador, é professor associado de Ecotoxicologia Terrestre do Instituto de Saúde Ambiental e Humana da Universidade de Tecnologia do Texas.

Smith e Wooten suspeitam que os “bumpers” e outros brinquedos para cães podem liberar ftalatos e bisfenol A (BPA) na boca e no corpo dos animais.

Essas substâncias são utilizadas para conferir elasticidade ao plástico e são conhecidos disruptores endócrinos, que imitam o estrogênio ou podem atuar como antiandrógenos. Os estudos indicam que podem causar efeitos negativos na saúde.

Para testar essas substâncias químicas, os pesquisadores simularam a saliva de cães e depois imitaram o mastigar pressionando os bastões e outros brinquedos com pinças de aço inoxidável para saladas. Alguns “bumpers” e brinquedos também foram envelhecidos para determinar se brinquedos antigos liberavam mais substâncias químicas.

“Descobrimos que o envelhecimento ou a fragmentação dos brinquedos aumentou a concentração de BPA e ftalatos”, disse Smith. “A boa notícia é que os brinquedos apresentam concentrações menores de ftalatos que os ‘bumpers’. Mas eles também continham outras substâncias que imitam o estrogênio. Precisamos descobrir quais são.”

Wooten explicou que o BPA e os ftalatos podem ter efeitos sobre o desenvolvimento do feto e efeitos permanentes sobre os descendentes de animais de laboratório. Os estudos em seres humanos geraram conclusões mistas, mas a preocupação foi suficiente para justificar a proibição do uso de BPA em mamadeiras nos Estados Unidos este ano.

Wooten disse que “a interação entre a saúde do animal de estimação e substâncias ambientais ainda é pouco estudada. Ainda não se sabe, por exemplo, a quantidade liberada na boca de um cão durante uma brincadeira. O que pode ser uma dose segura para uma espécie nem sempre é para outras. Mas a quantidade de BPA e ftalatos que encontramos nos ‘bumpers’ pode ser considerada alta se comparada aos brinquedos para crianças”.