Em meio às seleções de pares que agradam ou não no Tinder, os residentes de Nova Iorque encontraram, nos últimos dias, alguns perfis caninos, que eram parte de uma interessante campanha da organização Social Tees, que ajuda a encontrar lares para cachorrinhos abandonados.

Vilma, por exemplo, era descrita como tendo 26 anos, já que essa ‘mentirinha’ faria com que ela aparecesse nos filtros de idade de quem estivesse procurando uma jovem nova-iorquina, ainda que essa fofinha tenha apenas 9 semanas de vida.

Hackear o Tinder para mostrar cãezinhos abandonados que possam ‘combinar’ com o perfil de quem está em busca de um novo amor é uma boa estratégia, mas que não foi entendida por todos os usuários. No Twitter, muita gente aparece reclamando de ter visto cachorros serem sugeridos como ‘par ideal’ dentro da plataforma.

Isso pode quase ser visto como um efeito colateral da ação, que até o momento teve um resultado bem surpreendente – em apenas 24 horas, mais de 1.500 perfis de cãezinhos foram marcados como ‘match’, sendo que um deles já encontrou um novo lar.

A ação foi criada pelos trainees do programa The Barn da BBH.

No Brasil, a mesma estratégia é utilizada pela Match Dog, criada pelo estudante de publicidade Ian Hartz, de 25 anos, em parceria com a ONG Adote um Focinho. Através da ideia dele, cãezinhos em busca de um novo lar ganham perfil no Tinder para tentar conquistar corações de possíveis futuros donos. O MatchDog foi criado no início de julho, e nesse mês de existência, já conquistou mais de 1 mil matches e 2 cachorrinhos foram adotados. Atualmente, os perfis são mostrados para quem busca por pessoas da Grande SP no Tinder, mas há planos de expandir para mais 3 estados.

Fonte: Brainstorm