O guia alimentar de 2019 do Departamento de Saúde do Canadá fará algumas mudanças importantes em relação à versão de 2017, com produtos lácteos quase totalmente descartados e um foco maior em alimentos à base de vegetais.

frutas e verduras em cima de uma mesa

Foto: Getty Images

Embora o guia ainda não tenha sido finalizado, as versões preliminares – mostradas em grupos focais – revelam uma redução drástica na ingestão recomendada de produtos lácteos.

Comparado com a recomendação da versão anterior de quatro porções completas de leite, queijo, iogurte e outros produtos lácteos por dia, o novo esboço recomenda apenas 500ml de leite por dia, cortando os outros itens por completo. A seção geral de laticínios no guia também é consideravelmente menor do que nos anos anteriores. Em julho de 2017, o governo propôs pela primeira vez a eliminação de laticínios como um grupo de alimentos.

O consumo de produtos lácteos está ligado a uma ampla gama de problemas de saúde, mais comumente à intolerância à lactose, que afeta 65% da população mundial. A indústria leiteira também está ligada ao colesterol alto e à pressão alta, e estudos sugerem que consumi-la regularmente coloca as pessoas em maior risco de desenvolver câncer e diabetes.

Em todo o país, as opções baseadas em vegetais têm se tornado cada vez mais populares – até mesmo a Tim Hortons, a maior cadeia de serviços rápidos do Canadá, começou a oferecer leite de soja em dezembro de 2014.

Em fevereiro do ano passado, o Departamento de Saúde propôs a adição de rótulos de advertência a produtos ricos em gordura saturada, sódio e açúcar, o que inclui produtos lácteos.

A indústria de laticínios sustenta que seus produtos são seguros. De acordo com Kelowna Now, os agricultores estão ameaçados pelo guia preliminar do Departamento. “Isso não apenas prejudicará o setor de laticínios e as centenas de milhares de pessoas que dependem dele para sua subsistência, mas também prejudicará os consumidores canadenses, criando confusão sobre o valor nutricional dos laticínios,” disse Pierre Lampron, presidente da Dairy Farmers of Canada. disse a publicação.

No entanto, o Departamento afirma que seu guia prioriza os melhores interesses do público. O representante Hasan Hutchinson disse: “A ingestão regular de alimentos à base de vegetais, como legumes, frutas, cereais integrais e proteínas à base de vegetais podem ter efeitos positivos sobre a saúde.”

Embora recomende carnes magras e peixes, o guia aconselha os consumidores a ingerir uma variedade de alimentos à base de vegetais, incluindo ervilhas secas, feijões e lentilhas, e incentiva a água potável em vez do leite de vaca.

Esta não é a primeira vez que o governo canadense demonstra seu apoio às proteínas vegetais. No ano passado, investiu 150 milhões de dólares no Protein Industries Supercluster Canada, uma organização sem fins lucrativos que visa tornar o Canadá um líder mundial em proteína baseada em vegetais.

Navdeep Bains, ministro da Inovação, Ciência e Desenvolvimento Econômico do Canadá, disse sobre o investimento: “O avanço do Canadá e as indústrias agrícolas produtivas têm um excelente potencial de crescimento, devido à crescente demanda global por proteína baseada em vegetais.”

Ele acrescentou: “Nosso governo está se unindo a empresas de todos os tamanhos, instituições acadêmicas e organizações sem fins lucrativos para fazer conexões produtivas e estimular a inovação que criará milhares de bons empregos neste e em outros campos relacionados.”

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/01/canada-remove-laticinios-do-guia-de-nutricao-nacional-em-favor-de-dieta-vegana/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.