Um cachorro doente e com deficiência auditiva que estava sofrendo abandonado nas ruas de Los Angeles, nos Estados Unidos, teve a vida transformada após decidir descansar na varanda de uma casa. O que parecia ser apenas um cochilo, salvou a vida do cão, que escolheu o lugar certo para dormir. Isso porque a proprietária do imóvel, tocada pelo estado do animal, decidiu ajudá-lo.

(Foto: Arquivo Pessoal / Carol Messina)

Após alguns dias dormindo na varanda da casa, Solovino – que significa “eu vim sozinho” em espanhol -, como passou a ser chamado, foi levado pela mulher até o Rocket Dog Rescue, em San Francisco. A ONG cuidou do animal, que foi adotado diversas vezes, mas acabou sendo devolvido após todas as adoções, vivendo a frustração de ser descartado por ter problemas de saúde.

Mas o cão que ninguém queria teve uma nova chance na vida. Carol Messina viu uma fotografia de Solo e se apaixonou por ele. Fã da saga “Star Wars”, ela adorou o nome do animal, que é o mesmo de um dos personagens dos filmes.

“Então, quando eu o conheci e vi o quão triste ele estava, eu sabia que ele ia ficar comigo para sempre, não importa o que aconteça”, contou Carol ao The Dodo.

(Foto: Arquivo Pessoal / Carol Messina)

O sofrimento que viveu nas ruas e a decepção de ser devolvido por adotantes diversas vezes geraram traumas em Solo, que chegou assustado, quieto e tímido à casa de Carol.

“Ele manteve o rabo entre as pernas 24 horas por dia, mesmo quando comia”, relevou a tutora ao portal This Dog’s Life.

A vida dele, no entanto, mudou completamente. A deficiência auditiva, que o deixava ansioso quando estava perto das pessoas, e os dentes podres que lhe causavam dores constantes, não foram vistos por Carol como incentivos para abandoná-lo, como ocorreu com os antigos tutores, mas sim como algo que serviu para motivá-la a dedicar a ele amor e cuidados.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/10/cao-com-deficiencia-auditiva-encontra-um-lar-apos-sofrer-nas-ruas/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.