Cerca de 20 mil baleias jubarte devem passar pelo litoral da BA durante temporada de reprodução (Foto: Enrico Marcovaldi/Instituto Baleia Jubarte)

Cerca de 20 mil baleias jubarte devem passar pelo litoral da Bahia entre os meses de julho e novembro, quando ocorre o ciclo reprodutivo da espécie. A estimativa é do Instituto Baleia Jubarte, que acompanha há 30 anos o período reprodutivo dos animais, que chegam a medir 16 metros de comprimento e a pesar até 40 toneladas.

As baleias são animais migratórios e estabelecem lugares diferentes para alimentação e reprodução. Entre julho e novembro, elas saem da região da Antártida, que passa por um inverno rigoroso, e migram para águas tropicais, que são mais quentes, para poderem se reproduzir. Desde maio alguns animais já começaram a chegar no estado.

O maior berço reprodutivo do Atlântico Sul é na região de Abrolhos – que vai do extremo sul da Bahia ao norte do Espírito Santo.

Dóceis, as baleias atraem milhares de turistas para regiões costeiras da Bahia, como Praia do Forte, Morro de São Paulo, Itacaré, Caravelas e Salvador.

Cerca de 20 mil baleias jubarte devem passar pelo litoral da BA durante temporada de reprodução (Foto: Enrico Marcovaldi/Instituto Baleia Jubarte)

Na última segunda-feira (2), duas baleias foram flagradas dando saltos no mar da Baía de Todos-os-Santos, na altura do bairro da Barra, na capital baiana. Os saltos foram gravados com aparelhos celulares por pessoas que estavam na região e puderam apreciar o “espetáculo”.

Conforme Enrico Marcovaldi, um dos fundadores do Instituto Baleia Jubarte, a população de baleias jubarte cresce de 7% a 15% ao ano. “As fêmeas migram para as águas tropicais para ter os filhotes, após um período de gestação de 11 meses. Os machos também vem atrás de parceiras, que estão no período fértil”, destaca.

As baleias ficam entre quatro e cinco meses nas áreas de reprodução, até que os filhotes estejam desenvolvidos e possam retornar com as mães para a Antártida.

No período reprodutivo, com o acréscimo na quantidade de animais na costa, consequentemente o número de encalhes também aumenta. Um encalhe ocorre quando, por qualquer motivo, estes animais chegam muito próximo às praias ou arrebentação e não conseguem se libertar sozinhos, ou quando chegam já mortos.

Segundo Hernani Ramos, pesquisador do Projeto Baleia Jubarte, em 2018 já foram contabilizados na Bahia seis encalhes de jubarte. No ano passado, houve recorde ao serem contabilizados 122 encalhes do animal.

Segundo o Instituto Baleia Jubarte, os animais encalham por estarem fracos ou desorientados devido a doenças, ferimentos por colisão com embarcações ou emalhe em redes de pesca.

A poluição nos oceanos também pode afetar a saúde dos animais. Ainda segundo a entidade, filhotes que se perdem das mães não conseguem se alimentar sozinhos e podem encalhar.

Baleias jubarte (Foto: Enrico Marcovaldi/Instituto Baleia Jubarte)

Na tarde de domingo (1º), pedaços de uma baleia jubarte foram encontrados em uma praia do município de Alcobaça, sul da Bahia. Conforme Milton Marcondes, coordenador de pesquisa do projeto Baleia Jubarte, os pedaços, provavelmente, são restos da baleia que foi encontrada morta e encalhada na quinta-feira (29). O material foi removido da praia ainda no domingo.

Foi a segunda baleia encontrada morta este ano no sul da Bahia. Moradores da cidade de Prado, no extremo sul da Bahia, encontraram no dia 11 de junho uma baleia jubarte morta na região. De acordo com o projeto Baleia Jubarte, o animal foi achado com marcas de mordidas de tubarão. Em Salvador, quatro baleias já foram encontradas encalhas neste ano.

Fonte: G1

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/07/cerca-de-20-mil-baleias-jubarte-devem-passar-pelo-litoral-da-ba/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.