Dois acadêmicos da Irlanda do Norte, junto com um dos principais médicos do NHS, estão exigindo que o Parlamento faça mais para aumentar a conscientização sobre os riscos de câncer associados à ingestão de carne processada .

Foto: Pixabay

Em uma declaração conjunta, eles pedem que o governo reconheça e destaque os perigos de consumir carnes – como bacon, salame e presunto – de uma maneira similar às campanhas de saúde sobre o açúcar e alimentos gordurosos, informou o Belfast Telegraph.

O professor Chris Elliott, diretor do Instituto Belfast de Segurança Alimentar Global da Queen’s University, o nutricionista Chris Gill, da Ulster University, e o cardiologista sênior Aseem Malhotra se uniram a políticos, incluindo Tom Watson, vice-líder trabalhista, para pedir mudanças.

Segundo o Live Kindly, eles concordam com o crescente consenso da opinião científica de que os nitritos encontrados na carne processada levam à produção de nitrosaminas, que são cancerígenas. Isso, por sua vez, pode aumentar o risco de câncer para aqueles que consomem regularmente bacon e presunto tradicionais.

Em 2015, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou carnes processadas como carcinogênicas do Grupo 1 – a mesma categoria do tabaco e do amianto. A carne vermelha foi classificada como carcinógena do Grupo 2A – provavelmente carcinogênica para humanos.

As categorizações tiveram apoio de outros dados, como o maior estudo de pesquisa de câncer já realizado no início deste ano. O estudo descobriu que nenhuma quantidade de carne processada é segura para comer, pois mesmo pequenas quantidades do item podem aumentar o risco de câncer. Ele também observou que 30 a 50 por cento de todos os diagnósticos de câncer são evitáveis.

“Nós estamos preocupados porque não está sendo feito o suficiente para aumentar a conscientização sobre os nitritos em nossa carne processada e seus riscos para a saúde, em contraste com os avisos regularmente emitidos sobre o açúcar e alimentos gordurosos”.

Foto: Pixabay

“É preciso uma frente unida e ativa de políticos, da indústria alimentícia e da comunidade de tratamento do câncer” , disseram, acrescentando que é essencial trabalhar em conjunto para aumentar a conscientização sobre esses riscos à saúde e incentivar o uso de alternativas livres que são mais seguras e podem reduzir o número de casos de câncer. ”

O Dr. Malhotra afirmou que, ao não fazer nada, o movimento espelha a forma como a indústria do tabaco anteriormente negava os perigos de fumar cigarros. “Quando se trata de nitrosaminas, não há “se”, nem “mas”; eles são cancerígenos”, disse ele.

Um estudo do World Cancer Research Fund descobriu que a remoção de carne da dieta pode reduzir o risco de câncer em 40%. Além disso, se todos no Reino Unido abandonarem os produtos de origem animal e se tornarem vegans, poderá haver menos 8.800 casos de câncer a cada ano.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/01/cientistas-irlandeses-alertam-sobre-os-riscos-de-cancer-associados-ingestao-de-carne/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.