Cerca de 80% dos cães e gatos são acometidos pelo cálculo dentário, popularmente conhecido como tártaro, e podem ser afetados de modo mais ou menos grave durante a vida por meio de doenças periodentais. A veterinária da PremieR pet, Keila Regina de Godoy, orienta que atitudes simples, que vão desde a mastigação mais elaborada, escovação correta até a ingestão de alimentos específicos, podem ser determinantes para evitar, inclusive, complicação de doenças.

“Tais consequências são sérias e incluem mau hálito, perdas dentárias, infecções secundárias em importantes órgãos como rins, coração e dor ao se alimentar. A prevenção é o melhor a ser feito”, frisa.

O fornecimento de brinquedos mastigáveis, ossinhos, biscoitos e o uso de um alimento que já previna o problema são alternativas. Entretanto, muitos se perguntam como o alimento pode ajudar. Para entender melhor é preciso saber que a formação do cálculo dental é contínuo. “Nesse contexto, o uso de um alimento que já contenha substâncias especializadas na prevenção do tártaro [estágio inicial] é uma forma eficiente e prática de evitar o problema.”

Segundo a veterinária, o alimento seco industrializado pode auxiliar de duas maneiras: mecânica e química. A mecânica inclui a ação de abrasão promovida pela mastigação de um grão de formato e tamanho apropriados ao porte do animal. Já a química evita o endurecimento da placa bacteriana, não permitindo que ela se transforme no cálculo dental. Isso é obtido pelo uso, já na composição do alimento, de substâncias especializadas que em contato com a saliva, sequestram o cálcio nela presente e impedem que o mesmo se ligue na referida placa.

Embora as ações sejam complementares, a química é muito desejável, pois não depende da mastigação e por isto é mais eficaz, já que cães e gatos não praticam uma mastigação muito elaborada. “Entre as opções destas substâncias especializadas disponíveis no mercado em alimentos comerciais, o hexametafosfato de sódio é considerado altamente eficaz e seguro, prevenindo a formação do tártaro em até 47% e, contribuindo assim, para a saúde bucal e geral do pet”, finaliza.

Da placa bacteriana ao cálculo dental
Quando o animal se alimenta, restos de comida ficam parados em sua boca e sobre seus dentes. As bactérias que já existem ali se juntam a estes restos de alimento para utilizá-los, formando então a placa bacteriana.

Tal placa é de fácil remoção mecânica, seja através da escovação, ossinhos e brinquedos. No entanto, ocorre que se não for removida, elas sofrem um processo de mineralização em que o Cálcio contido na saliva se liga a ela, promovendo seu endurecimento. A partir daí já podemos considerar que existe o “cálculo dental”, o qual só pode ser removido por meio do tratamento feito pelo médico veterinário e precedido de anestesia geral.

Tratamento

A doença periodontal não tem cura, mas pode ser controlada. O primeiro passo após a instalação da doença é o tratamento periodontal, que é diferente de uma simples “limpeza de tártaro”. Qual é a diferença? A limpeza de tártaro é feita com o animal acordado ou sedado, é muito mais rápida, mas é insuficiente. O principal problema na doença periodontal é a parte do dente que fica “escondida” pela gengiva, local que só se consegue acessar com o animal sob efeito de anestesia geral.

O que é o tratamento periodontal? 
Para se realizar um tratamento realmente eficiente, o animal deve ser submetido à anestesia geral. A partir desse momento, os dentes são examinados um a um e são realizadas radiografias intra-orais para avaliar a parte óssea. O cálculo é removido com um aparelho de ultra-som (tanto acima quanto abaixo da gengiva) e, muitas vezes, é necessário fazer outros procedimentos, como aplainamento radicular, extrações e até mesmo retalho gengival. Após a raspagem, os dentes são polidos com motor de baixa rotação, utilizando uma pasta especial. Esse procedimento deixa os dentes mais lisos, diminuindo o acúmulo de placa.

E os riscos anestésicos?
Essa é a pergunta mais freqüente dos proprietários. Hoje em dia, com os recursos disponíveis, os riscos anestésicos são muito pequenos. O animal é entubado e recebe anestesia inalatória, com drogas que oferecem grande segurança. Além disso, durante todo o procedimento são monitoradas as funções vitais do animal, como pressão arterial e freqüência cardíaca e respiratória, como em um centro cirúrgico humano.

Fontes: Pet Rede e Web Animal

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA