Filhotes de pássaros são animais frágeis que necessitam de cuidados, que, geralmente, são proporcionados pelos pais. No entanto, ao caírem do ninho, eles podem precisar de auxílio humano. Para indicar a melhor forma de ajudá-los, médicas veterinárias especialistas em animais silvestres dão algumas dicas.

“Quando um pássaro é encontrado, devemos primeiro ver se os pais estão por perto e se é possível devolvê-lo imediatamente ao ninho, se este ainda estiver íntegro. Sabiá e Bem-te-vi são espécies de aves que costumam se preocupar com sua prole, cercando os filhotes e os alimentando mesmo quando estão caídos no chão”, explica Marta Brito Guimarães.

(Foto: PIXABAY)

É preciso, no entanto, observar o ninho antes de devolver o filhote a ele. “O ninho deve estar em lugar seguro, pois, do contrário, torna a possibilidade de nova queda dos filhotes. Caso os pais não retornem, o mais adequado é cuidar em casa”, alerta Natalia Philadelpho Azevedo.

Melhor ainda do que levar a ave para casa é encaminhá-la a algum órgão competente, como o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) ou Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), presentes em diversos municípios. As informações são do Jornal Cruzeiro.

“Quando for manusear, não devemos usar nenhum tipo de perfume, loção ou hidratante nas mãos, pois isto interfere na aproximação dos pais e cuidado com os filhotes”, afirma Yamê Miniero Davies, que indica o uso de um pano macio e limpo nessas ocasiões.

Uma caixa de papelão fechada com furos para ventilação é uma das alternativas possíveis para o transporte de aves. Gaiolas não são indicadas, já que o filhote pode se machucar nas grades.

Após o resgate, é imprescindível manter o pássaro aquecido, em local arejado, sem correntes de ar e em local que não bata sol. O filhote deve ter à disposição um recipiente com água e não deve ser alimentado à força para evitar risco de sufocamento.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/07/especialistas-explicam-ajudar-filhotes-passaro-que-caem-do-ninho/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.