Por David Arioch

Foto: Pixabay

Ontem a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) publicou algumas sugestões que podem ser adotadas por qualquer pessoa que queira minimizar a contribuição às mudanças climáticas.

Segundo a FAO, condições imprevisíveis estão dificultando a produção dos alimentos necessários para uma população em crescimento, mas ressalta que ainda há tempo para agir. “É aqui que todo indivíduo tem o poder de fazer a diferença”, de acordo com a organização.

A primeira sugestão é adotar uma dieta mais sustentável, com a introdução de refeições vegetarianas em que a carne seja substituída por alimentos que demandam menos recursos naturais no processo de produção. Exemplos são as leguminosas como feijões, lentilhas, ervilhas e grão-de-bico.

“Mais recursos naturais são usados ​​para produzir carne, especialmente a água. Milhões de hectares de floresta tropical também são cortados e queimados para transformar terras em pastagens e campos para o gado”, justifica a FAO, em referência a ações que favorecem o aquecimento global.

A organização recomenda comprar apenas o que precisamos, fazendo uma lista e criando planos de refeições para evitar compras por impulso: “Quando você joga fora sua comida, você está desperdiçando os recursos hídricos que foram gerados. Por exemplo, são necessários 50 litros de água para produzir uma laranja!”

Outra sugestão diz respeito à valorização dos produtores locais – agricultores familiares e pequenas empresas:

“Você também ajuda a combater a poluição, reduzindo as distâncias de entrega de caminhões e outros veículos. A mudança climática está colocando em risco os meios de subsistência de milhões de agricultores. Sem eles, não teríamos comida em nossos pratos. As escolhas que fazemos hoje são vitais para um futuro seguro para a alimentação.”

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/05/fao-sugere-introducao-de-refeicoes-vegetarianas-para-ajudar-a-combater-as-mudancas-climaticas/#utm_source=rss&utm_medium=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.