Foto: Ami Vitale

Capazes de vínculos verdadeiros e sentimentos sinceros, os animais são seres sencientes que dão lições valiosas e únicas aos seres humanos, tanto sobre amor incondicional, como de amizade, fidelidade e lealdade.

Cenas de ternura e carinho entre animais das mais diversas espécies são registradas diariamente, comprovando que esse esses seres especiais não colocam fronteiras quando se tratar se oferecer um ombro amigo, ajuda ou proteção àqueles que necessitam ou estão em dificuldades.

Mia e Emilka são o melhor exemplo disso.

O fotógrafo da National Geographic, Ami Vitale, capturou este vídeo emocionante de uma gata e um rinoceronte do sexo feminino que se tornaram as amigas mais improváveis, mas isso não as impediu de criar laços entre si, sem falar no carinho.

“Mia, a gatinha, teve seu rabo mordido por um rinoceronte diferente quando era filhote. Mas mesmo com essa infeliz experiência anterior, ela persistiu, manteve o coração aberto e um dia encontrou a amizade verdadeira em uma rinoceronte chamada Emilka no Dvur Kralove @safariparkdvurkralove na República Tcheca ”, escreveu Vitali no Instagram.

Este é o guardião da vida selvagem Joseph Wachira dá e recebe carinho do bebê rinoceronte branco do sul no OL Pegeta Conservancy | Foto: Ami Vitale

“Este é o mesmo lugar onde os últimos rinocerontes brancos do norte vivem e eles têm sido fundamentais para salvar a espécie que esta à beira da extinção.”

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/09/gatinha-e-rinoceronte-se-tornam-as-melhores-amigas-amp/#utm_source=rss&utm_medium=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.