O gorila mais velho da Europa foi sacrificado aos 54 anos por estar doente e não apresentar possibilidade de melhora. Fritz, como era chamado, foi condenado pela crueldade humana a viver praticamente a vida toda aprisionado.

O animal nasceu em Camarões em 1963. Com apenas três anos de idade, ele foi levado a um zoológico em Munique, na Alemanha, onde ficou até 1970, quando foi transferido para o zoo de Nuremberg, também na Alemanha.

Fritz viveu aprisionado desde os três anos de idade (Foto: Divulgação / Zoológico de Nurembergue)

Sacrificado na última segunda-feira (20), Fritz apresentava um quadro de saúde delicado desde sábado (18), quando a condição dele começou a piorar. Segundo o zoológico, o gorila recusava até mesmo o prato de comida preferido. As informações são do GaúchaZH.

Vida no cárcere

Fritz viveu aprisionado em zoológicos desde os três anos de idade. Com 54, ele se libertou da ganância e da crueldade dos seres humanos, que acreditam poder explorar vidas como atrações em nome do lucro.

O gorila foi covardemente explorado para entretenimento humano como se fosse um objeto exposto para chamar a atenção do público. Fritz, no entanto, era um ser vivo que, assim como todos os animais, merecia ter sido tratado com mais respeito, tendo sua condição de sujeito de direito resguardada.

Durante a vida, o gorila teve seis filhotes, duas fêmeas e quatro machos, e 14 trinetos. Animais que nasceram condenados ao aprisionamento e que são privados, assim como Fritz foi, de viver em liberdade, no habitat.

Erradicação dos zoológicos

Se por um lado existem pessoas que financiam zoológicos ao frequentá-los, usando o próprio dinheiro para manter, através das visitas, esses estabelecimentos em funcionamento, por outro há quem se dedique para por fim a locais que aprisionam animais. É o caso do príncipe Khaled bin Alwaleed, da Arábia Saudita.

Khaled é vegano e faz ativismo em prol dos animais. Segundo o príncipe, o objetivo dele é erradicar os zoológicos completamente do Oriente Médio. “Um zoológico já é demais”, afirmou.

Como forma de combater a prática de aprisionar animais e também para incentivar a população a frequentar locais de entretenimento que não explorem animais, Khaled inaugurou o Ocean Odyssey, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, segundo informações do portal Hypeness. Trata-se de um aquário virtual, que permite que o visitante seja transportado para o fundo do mar, observando de perto várias espécies de animais marinhos sem mantê-los aprisionados. No local, não há água nem animais reais.

O objetivo de Khaled é levar o Ocean Odyssey a dez grandes cidade do Oriente Médio até o final de 2019.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/08/gorila-mais-velho-da-europa-sacrificado-apos-viver-aprisionado-zoo/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.