Quatro baleias-bicudas-de-true, espécie extremamente rara, foram avistadas na costa da cidade de Santander, no norte da Espanha, no início deste mês. Os animais, de aproximadamente cinco metros, só foram observados outras três vezes na porção norte do Oceano Atlântico.

Quatro baleias-bicudas-de-true, espécie extremamente rara, foram avistadas na costa da cidade de Santander, no norte da Espanha, no início deste mês.

Os passageiros da embarcação conseguiram ver o animal, que só foi observado no Norte do Atlântico outras três vezes. (Foto: Reprodução)

Os animais foram flagrados durante uma viagem voltada para a fotografia da vida selvagem, organizada pela ONG de conservação marinha, ORCA e pela Academia Jessops. As quatro baleias fizeram o mesmo percurso que a balsa que viajava de Porthsmouth, cidade ao sul da Inglaterra, até a cidade de Santander, e foram fotografadas pelos passageiros da embarcação.

As baleias-bicudas-de-true foram descobertas apenas em 1913, e são extremamente difíceis de serem identificadas por serem facilmente confundidas com outros animais marinhos. Devido à dificuldade de avistamentos, muito pouco se sabe sobre a distribuição e abundância da espécie.

A ORCA confirmou que os animais fotografados eram, de fato, baleias-bicudas-de-true, e que as imagens feitas pelos viajantes são algumas das melhores já capturadas dessa espécie. Características singulares da baleia-bicuda-de-true, como a coloração mais clara na parte inferior do corpo e dentes salientes no focinho, foram observadas.

A espécie 

As baleias-bicudas-true são membros da família Ziphiidae, a segunda maior família de cetáceos, que também inclui baleias, golfinhos e botos. Muitas das 22 espécies de baleias-bicudas estão entre os mamíferos menos conhecidos e compreendidos no mundo.

Esse animais são vistos tão raramente, que nas últimas décadas, apenas três novas espécies de baleias-bicudas foram descobertas. Elas habitam as águas profundas do Oceano Atlântico, nos Hemisférios Norte e Sul, e passam 92% do tempo debaixo d’água.

Estes comportamentos, combinados ao fato de que vivem em pequenos grupos, geralmente não são atraídos por barcos, e não realizam acrobacias aéreas, como os golfinhos, por exemplo, resultam em uma extrema dificuldade em detectar as baleias-bicudas no mar.

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) relata que “as baleias-bicudas-de-true raramente são identificadas”.

A diretora da ORCA, Sally Hamilton, disse: “Este encontro foi verdadeiramente algo que ocorre uma vez na vida, com as fotos e vídeos reunidos representando uma rara oportunidade de estudar esses animais misteriosos e esquivos.”

Infelizmente, o pouco conhecimento que se tem dessa espécie foi obtido através da análise de 51 baleias-bicudas encontradas mortas, principalmente na costa oeste da Irlanda.

O Dr. James Mead, do Smithsonian National Museum of Natural History, em Washington (EUA) é um dos maiores especialistas do mundo em baleias-bicudas, e afirmou nunca ter visto imagens “tão magníficas” quanto as capturadas nessa surpreendente aparição. “Este avistamento de quatro animais, que estão pulando alegremente, nos dá uma nova imagem dessa espécie”, disse Mead.

Além das satisfatórias evidências para os especialistas, a aparição de baleias-bicudas traz esperança. O fato de uma espécie tão ameaçada conseguir sobreviver em meio a tantas ameaças, principalmente vindas de ações humanas, é extremamente reconfortante.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/07/baleias-raras-atlantico-norte/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.