Por Rafaela Damasceno

John Machin, de 63 anos, abandonou os produtos de origem animal ainda criança. Vários médicos disseram aos seus pais que, se ele fizesse isso, não passaria dos 10 anos. Entretanto, ele ainda está vivo e saudável.

Foto: Plant Based News

John é um amante dos exercícios físicos: treina cerca de duas horas todos os dias. Ele não levanta pesos, mas usa seu próprio corpo para adquirir força.

“Há uma crença de que os veganos devem ser pálidos, magros e fracos. Espero mostrar que o completo oposto pode ser verdade. Tendo 63 anos, também posso ser um exemplo de que viver uma vida toda comendo apenas produtos de origem vegetal oferece resultados físicos duradouros e maravilhosos”, declarou à Plant Based News.

Ele afirmou que se tornou vegano ainda criança porque não suportava os alimentos de origem animal. Se seus pais ofereciam a ele carne, leite ou produtos do gênero, John se sentia enojado e fisicamente doente. “Aos cinco anos de idade, fui informado pelo nosso médico de que, se não começasse a comer carne, não viveria até os dez. Acho que ele errou um pouco a previsão”, brincou.

John revelou que não era saudável quando criança. Sua dieta consistia basicamente em batatas fritas, feijão e ervilha enlatada. Foi na adolescência que ele tomou consciência da amplitude dos alimentos veganos e se interessou por uma vida saudável – temas que ele agora ensina e passa adiante.

“Os alimentos vegetais são ideais para a saúde e forma física. Agora, me aproximando da minha sétima década, nunca me senti tão saudável. Amo o veganismo e a maneira que ele faz eu me sentir”, disse.

John acredita que nunca foi tão fácil se tornar vegano quanto agora. Tendo aderido ao estilo de vida há mais de 50 anos, ele viu a evolução do veganismo. “Há tantos estudos sobre saúde e meio ambiente, tantos alimentos veganos deliciosos nas prateleiras dos mercados, não há mais razões para não tentar o veganismo. Apenas desculpas”, garantiu.

Atualmente, John apoia uma campanha da Vegetarian for Life, Memory Care Pledge, que é dedicada a apoiar vegetarianos e veganos mais velhos. A campanha visa garantir que, mesmo aqueles que forem para casas de repouso, continuem se alimentando de acordo com suas crenças.

Ele acredita que ignorar a dieta e estilo de vida daqueles que tinham suas crenças antes de sofrerem alguma doença (como aqueles que perdem a memória ou ficam confusos) é imoral e insensível.

Por fim, John também falou um pouco dos benefícios do estilo de vida. “O veganismo é melhor para nossa saúde, para os seres humanos, para o planeta e, principalmente, para nossos maravilhosos animais”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/07/homem-vegano-ha-mais-de-50-anos-fala-sobre-os-beneficios-de-um-estilo-de-vida-saudavel-e-compassivo/#utm_source=rss&utm_medium=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.