Ainda filhote, a cadela já conheceu o sofrimento causado pelo abandono. Sua história, porém, teve final feliz: após ser resgatada, ela encontrou um lar


Uma cadela com cerca de dois meses de vida foi resgatada na quinta-feira (19) pelo tenente da Polícia Militar Ramon Victor Bovenzo Alves, de 26 anos durante patrulhamento em Praia Grande (SP).

Foto: Arquivo Pessoal

Assustada e desorientada, a cadela estava no meio da rua quando foi encontrada pelo policial, que se negou a virar as costas para ela e a levou para casa. O resgate aconteceu na Avenida Presidente Kennedy, no bairro Maracanã.

Após ser resgatada, a cadela foi levada a uma clínica veterinária e já ganhou até um lar.

“Ela chegou a fugir um pouco de mim, mas consegui pegá-la e levei para a minha casa. Não tinha condições dela ficar sozinha na rua, ia morrer de tão frágil que é. Apesar de ainda estar assustada, ela é extremamente dócil e já se apegou muito a mim. Chega até a chorar quando não estou perto, parece um bebê”, disse o policial ao G1.

Como já tutela três cachorros, Alves não tem condições de adotar mais um animal e, por isso, usou as redes sociais para divulgar a história da cadela. Foi assim que ele conseguiu encontrar uma pessoa para adotá-la. O novo tutor é conhecido de um familiar do tenente e levará a cadela para casa neste final de semana.

Foto: Arquivo Pessoal

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/09/ia-morrer-de-tao-fragil-que-e-diz-pm-apos-resgatar-cadela-abandonada-amp/#utm_source=rss&utm_medium=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.