O habitat dos coalas está cada vez mais precário devido á intervenção humana. Imagens desoladoras mostram as péssimas condições que esses animais estão enfrentando na natureza.

Nos últimos 20 anos, um quarto da população de coalas desapareceu. Teme-se que a espécie esteja extinta em apenas três décadas. Segundo o WWF, espera-se que o animal seja extinto em 2050 em Nova Gales do Sul, na Austrália.

Os coalas vivem em eucaliptos, florestas e bosques, dos quais dependem para sua comida e abrigo. Dessa forma, o desmatamento de árvores estão sendo grandes causas do rápido declínio desses animais.

Dois coalas são retratados segurando-se em cima de sua antiga casa depois que as árvores foram derrubadas (Foto: WWF Austrália)

Quando suas casas são destruídas, os animais são forçados a irem em busca de outros lugares para viver e correm o risco de ser atropelados por um carro, atacados por outros animais ou ficarem vulneráveis ​​a doenças como a clamídia.

O conservacionista do WWF-Austrália, Stuart Blanch, disse que havia menos de 20 mil coalas em Nova Gales do Sul.

“Temos que parar com essa derrubada excessiva de árvores se quisermos manter coalas vivos na natureza para as gerações futuras”, disse Blanch ao News.com.au.

Em um documento divulgado pela organização de proteção animal e pelo Conselho de Conservação da Natureza de Nova Gales do Sul, pelo menos 14 campos de futebol de mata são limpos por dia.

O desflorestamento em Nova Gales do Sul está colocando os animais em risco de extinção (Foto: WWF Austrália)

A derrubada excessiva de árvores triplicou no estado desde o desmatamento da Lei de Vegetação Nativa da Nova Gales do Sul em agosto de 2017. Desde então, cerca de 5 mil hectares do habitat do coala foram destruídos em Moree e Collarenebri.

O WWF-Austrália e o Conselho de Conservação da Natureza lançaram petições pedindo ao governo que tome medidas e proteja os coalas.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/09/intervencao-humana-destroi-irreversivelmente-habitat-de-coalas/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.