Um leão-marinho ficou encalhado por quatro dias, a menos de 1 km da água, no Alasca. O animal, que estava estressado e faminto, foi colocado em uma carregadeira e retornou ao oceano.

Na cidade de Sitka, um motorista avistou o leão, da espécie leão-marinho-de-steller, pela primeira vez sentado ao lado de uma estrada em uma área residencial. O animal passou algum tempo no convés de madeira de um residente e até se refugiou sob as árvores em uma área florestal próxima.

O leão marinho estava assustado e se abrigou em um convés (Foto: Daily Mail Online)

Os cientistas da Administração Nacional de Operações Oceânicas e Atmosféricas (NOAA) foram notificados e decidiram avisar a população. Em uma publicação no Twitter, pediram para que saíssem do local, para segurança tanto das pessoas quanto do animal.

Policiais, bombeiros e cientistas estavam todos envolvidos no esforço de recuperá-lo em segurança para o oceano depois que ele saiu da água e se perdeu.

Em uma primeira tentativa, a polícia local alertou os condutores da área para que saíssem do local e tentou persuadir o leão-marinho a voltar ao oceano usando uma mangueira. Entretanto, o animal acabou ficando mais estressado e desidratado.

Policiais usaram uma mangueira para que o animal voltasse ao oceano, mas ele se assustou e tentou se esconder na floresta (Foto: Daily Mail Online)

Depois de quatro dias de o leão ter sido descoberto, equipes de resgate tomaram a decisão de sedá-lo e transportá-lo de volta para o porto de Sitka. Um veterinário da NOAA usou um dardo no animal e a equipe o rolaram no cano de um escavador e o colocaram na traseira de uma caminhonete.

A porta-voz da NOAA, Julie Speegle, assegurou que o leão marinho, enquanto desacordado, recebeu medicação para neutralizar os sedativos e foi cuidadosamente monitorado no oceano após a sua liberação.

O animal foi sedado e transportado até à água por uma caminhonete (Foto: Daily Mail Online)

“Nós o observamos por algumas horas para ter certeza de que tudo estava bem, mas a primeira coisa que ele fez foi comer um peixe, então foi um bom sinal”, conta Speegle.

O Corpo de Bombeiros Voluntários de Sitka, que pulverizou água no animal, postou um vídeo de seu retorno ao oceano no Facebook. Moradores locais ficaram felizes em ver o resgate sucedido do leão-marinho.

Os cientistas envolvidos no resgate disseram que não está claro por que o leão-marinho se aventurou tão longe da costa, mas a NOAA está de olho no animal aventureiro:

“Coletamos algumas análises para verificar sua saúde geral e colocamos uma etiqueta de satélite para que possamos rastrear sua localização”, afirmou Speegle.

O leão marinho conseguiu retornar à água após quatro dias (Foto: Daily Mail Online)

O leão-marinho-de-steller, ou do norte, é o maior membro da família Otariidae. Conhecida por serem “focas orelhudas”, a família inclui todos os leões-marinhos e focas. O animal pesa em torno de 1700 kg.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/09/leao-marinho-que-encalhou-em-praia-no-alasca-retorna-ao-mar-apos-resgate-que-durou-4-dias/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.