Por mais de uma década, esse macaco idoso não conheceu nada além das telas de arame de sua minúscula e oblíqua gaiola. As informações são do The Dodo.

Na semana passada, membros da organização Laos Wildlife Rescue Center (LWRC) receberam um telefonema de uma mulher que dizia estar mantendo um macaco “stump-tailed” em uma jaula atrás de sua casa. “Nós fomos ver o que poderia ser feito por esse pobre animal que estava em necessidade crucial de resgate”, escreveu a LWRC em um post no Facebook.

O que eles encontraram era pior que o esperado. O macaco estava vivendo em uma pequena estrutura em ruínas, construída com barras de metal e pedaços de malha. A gaiola, que estava posicionada de maneira torta sobre o solo, media apenas poucos metros quadrados, e nela o animal quase não tinha espaço para se mover. O chão estava coberto de lixo. Ele não tinha brinquedos ou nenhum local para conforto.

E o que é pior – ele vinha vivendo lá nessas condições há longos 13 anos.

Felizmente, após tantos anos trancando-o, a mulher concordou prontamente em libertar o macaco – agora conhecido como Arnold – e entregá-lo à LWRC. A equipe entrou em ação imediatamente, sedando-o para poder removê-lo finalmente daquela prisão em ruínas.

Apesar da história triste de toda a sua vida em cativeiro, Arnold não está sozinho. O comércio de vida selvagem está prosperando no Laos e em outras partes da Ásia, com milhares de macacos, ursos e animais de outras espécies sendo vendidos no mercado de animais de companhia ou para uso na medicina tradicional. Muitos deles são capturados na natureza ainda bebês, após as suas mães terem sido mortas por caçadores.

Apesar da história triste de toda a sua vida em cativeiro, Arnold não está sozinho. O comércio de vida selvagem está prosperando no Laos e em outras partes da Ásia, com milhares de macacos, ursos e animais de outras espécies sendo vendidos no mercado de animais de companhia ou para uso na medicina tradicional. Muitos deles são capturados na natureza ainda bebês, após as suas mães terem sido mortas por caçadores.

Recentemente, a LWRC resgatou um urso chamado Joe de uma situação similar. Ele estava sobrevivendo à base de doces e refrigerantes, em uma jaula minúscula e somente com lixo ao seu redor para brincar, conforme publicado pela ANDA.jor.

De acordo com a LWRC, há alguns anos, uma outra organização havia recorrido anteriormente ao Lao Zoo para tentar resgatar Arnold, mas não teve sucesso.

“Nós estamos felizes por ver finalmente esse macaco fora da ‘casa’ horrenda onde ele estava confinado”, escreveu o grupo no Facebook.

Agora, Arnold foi realocado para o santuário da LWRC. Apesar de ser improvável que ele possa ser capaz de retornar à natureza, a organização espera dar-lhe a melhor qualidade de vida após ele sair da quarentena.

980x-laos-4

Fonte: Anda.jor