Foto: Maison Atia

A Maison Atia utiliza o modacrílico para imitar a pele animal em seus sobretudos clássicos dos anos 70, jaquetas de lã de capim e boleros.

Todos os materiais têm seu próprio nome francês; em vez de martas , o shearling da Maison Atia é feito a partir do minque vegano, o Làmbe da Mongólia é usado em vez da lã de cordeiro, e Leathère substitui o couro de vaca.

“David Bowie, Jane Birkin e Charlotte Rampling são meus ícones”, disse Chloe Mendel, co-fundadora e diretora de criação e filha do famoso designer Gilles Mendel.

“A mulher Maison Atia é criativa, espontânea, natural e cheia de vida. Esta coleção Outono / Inverno 2019 incorpora a liberdade e a criatividade retumbante dos anos 70 com a participação de Charlotte Kemp Muhl, que será apresentada na campanha.

“Esta coleção dá às mulheres de bom coração um olhar atemporal que elas podem aproveitar agora e nos próximos anos. Estamos muito felizes com o que construímos este ano e meio e não poderíamos estar mais felizes em dar este próximo grande passo com nossos amigos no Baccarat Hotel”, acrescenta Gustave Maisonrouge, co-fundador e presidente.

Bem-estar animal

A grife não pensa apenas em preservar animais exóticos e suas peles. A prova disso é a parceria com a organização sem fins lucrativos Paws Chicago.

Cada casaco vendido paga para um filhote de cachorro ou gatinho ser transportado para um abrigo ‘no kill’ em Chicago.

Leia mais em: https://clubedosanimais.com.br/wp-content/uploads/2019/03/maison-atia-revela-colecao-de-peles-artificiais-para-a-nyfw-anda.br/2019/03/maison-atia-revela-colecao-de-peles-artificiais-para-a-nyfw/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.