São Paulo – Enquanto passeava com o pai pelas margens do rio Acre, Robson Cavalcante, de 11 anos, percebeu que havia pisado em algo diferente. Quando chamou o seu pai para escavar, os dois descobriram um fragmento do crânio de um jacaré Purussauro, que vivia nos rios e pântanos da floresta amazônica.

O pedaço ósseo do réptil pré-histórico foi encontrado por pai e filho na última quarta-feira (11) no município de Brasileia, interior do Acre. O garoto disse que pensou que fosse um dinossauro. José Miltão, pai de Robson, disse que os dois são bastante interessados pelo assunto. “Eu sempre gostei e meu filho acabou também se interessando por esse assunto. Tanto que quando encontramos ele disse ‘olha pai, nós achamos nosso dinossauro’. Ficamos muito felizes porque realizamos um sonho mesmo”, disse ao G1.

Com a notícia tendo se espalhado rapidamente pela cidade, o paleontólogo Jonas Filho da Universidade Federal do Acre (Ufac) está realizando a remoção do fragmento ósseo do Purussauro, que identificou ser a mandíbula do animal, desde quarta-feira (16).

O trabalho de revelar o fóssil foi feito por Miltão, que utilizou enxada e picareta – o pai do garoto já explorava locais próximos na esperança de encontrar algo parecido. Essa foi a primeira vez que tiveram sucesso.

O pesquisador informou que o jacaré tinha mais de 12 metros de comprimento, um dos maiores da história da Amazônia. Jonas revelou que encontrar uma mandíbula completa, como é o caso, é algo raro. “É uma mandíbula completa, no caso, pode até se considerar um material inédito, porque às vezes você encontra, mas separada”, disse.

O paleontólogo parabenizou a dupla por ter conseguido escavar sem causar danos significativos ao fóssil. Ainda constatou que, por ter avistado o fragmento, Robson possui olhar clínico e deve receber nota máxima em ciências. “Pode não ser um dinossauro, mas ele estava certo em sua percepção inicial. A professora deve dar dez para esse menino em ciência, ele merece”, disse Filho.

Fonte: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.