Uma coiote fêmea, que provavelmente tentava caçar em uma área de construção, terminou com a cabeça entalada em um tubo feito de material plástico pesado. Ela não conseguiria retirar o objeto sozinha.

Para a sorte do animal, ela foi capturada por imagens de uma câmera instalada nas propriedades do Rancho Bernardo, na Califórnia (EUA). A dona do local, grande amante de animais, ao ver as filmagens logo soube o que fazer. Acionou o Departamento de pesca e vida Selvagem da Califórnia.

Reprodução | The Dodo

Os oficiais, no entanto, não sabiam exatamente como agir. Era abril, período de reprodução de coiotes, e eles tinham medo de, caso resgatassem o animal e ela tivesse filhotes por perto, eles morressem de fome por não serem devidamente amamentados. Preferiram esperar.

Bastou um mês para que as câmeras gravassem quase a mesma coisa, com exceção de alguns detalhes: a coiote continuava com o tubo no pescoço, a diferença é que desta vez ela estava em uma situação muito pior. Tinha perdido peso considerável, e provavelmente não sobreviveria por muito tempo.

Reprodução | The Dodo

Desta vez, a mulher entrou em contato com um grupo de resgate da região chamado Fund for Animals Wildlife Center. Eles rapidamente foram até a casa dela e já colocaram algumas armadilhas seguras para que conseguissem resgatar o animal sem ferí-lo.

Depois de semanas o animal foi resgatado e dirigido a cuidados veterinários. Retiraram, enfim, o tubo de sua cabeça.

Reprodução | The Dodo

Matt Anderson, diretor da Fund for Animals Wildlife Center, contou em entrevista ao portal The Dodo que “ela com certeza não estava em boa forma. Ela estava em choque, muito dócil, nem um pouco ativa e não comeu absolutamente nada na primeira noite.”

Foi a partir da segunda noite que ela começou a demonstrar sinais de melhora; já comia e bebia o que lhe era dado e parecia estar um pouco mais animada.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/06/mulher-salva-coiote-com-tubo-de-construcao-preso-no-pescoco/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.