Após um hiato de 50 anos, nasceu o primeiro filhote de ararajuba da região metropolitana de Belém. A ave foi gerada no Parque do Utinga, uma área de preservação ambiental, em Belém, capital do Pará.

O filhote nasceu há três meses e ainda não teve nome escolhido. Ele passa boa parte do dia no ninho, vigiado pelos pais. Biólogos consideraram o nascimento uma conquista, já que a espécie nativa da Amazônia está ameaçada de extinção.

Após um hiato de 50 anos, nasceu o primeiro filhote de ararajuba, que foi gerado no Parque do Utinga, uma área de preservação ambiental, em Belém.

Foto: Divulgação

O primeiro voo dele foi há cerca de duas semanas e desde então costuma dar muitas voltas pelo parque. Os pais estão sempre juntos.

“Na primeira vez, ele conseguiu achar uma árvore e passou a noite sozinho. Assim que deu fome foi atrás dos pais”, disse o biólogo Marcelo Vilarta.

Os pais do filhote se conheceram em 2017, quando doze espécimes de ararajubas foram transportadas de um sítio no interior de São Paulo para Belém. O espaço de onde vieram pertence a Fundação Lymington, organização sem fins lucrativos que trabalha para garantir a reprodução de espécies ameaçadas de extinção. Depois de um período de adaptação em Belém, as aves foram soltas.

O casal, no entanto, decidiu não ir para muito longe e continua no Parque do Utinga. Para a gerente de biodiversidade do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), Nívia Pereira, o nascimento foi inesperado.

 “A gente não esperava que viesse em tão pouco tempo. É um marco da volta da ararajuba aqui na região metrolitana de Belém”, comentou.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/07/nasce-primeiro-filhote-ararajuba/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.