A morte de um cachorro gerou indignação e motivou um protesto que está previsto para sábado (21), às 11h30min, em frente ao Restaurante Palestrina, no bairro Vila Nova, em Novo Hamburgo (RS). O movimento, que está sendo organizado pelas redes sociais por Leandro Mello, presidente da ONG Organização pela Dignidade dos Animais Abandonados (Ondaa), já conta com mais de 4 mil pessoas confirmadas no ato em defesa do animal.

Mello explica que ficou sabendo do caso depois que o dono do cão publicou no Facebook o que teria acontecido – o cachorro da raça Terrier Brasileiro, Snoopy, teria morrido após receber um chute de um funcionário do restaurante, na segunda-feira.

— Queremos fazer um ato completamente pacífico. Quem participar pode levar o seu cão, cartazes, o que quiser, mas nenhum tipo de violência será tolerado — esclarece o organizador.

Marcelo Acker, veterinário e dono do cachorro morto, conta que a família não queria exposição, mas que após a história se espalhar pela internet se manifestou para esclarecer fatos que foram distorcidos. Ameaças ou violência (como as surgidas em comentários nas redes sociais) contra o suspeito ou o restaurante não são aceitos por Acker:

— Não queremos esse tipo de punição. A violência que cometeram contra meu cachorro não deve ser retribuída com mais agressão. Não adianta pagar desta maneira.

Acker diz que provavelmente não irá comparecer na manifestação.

Segundo o advogado do restaurante, João Carlos Dau Fuilho, a repercussão do caso é uma surpresa:

— Todos ficaram assustados com o que está acontecendo. O proprietário e o funcionário recebem ameaças pelas redes sociais e pelo telefone — contou.

Segundo ele, o garçom que atingiu o cão não tinha intenção de machucá-lo:

—O funcionário foi afastar o cachorro que entrou no restaurante por uma questão de higiene e, ao empurrá-lo, ele morreu. Ele nega que tenha chutado, somente tentou encaminhá-lo para o lado de fora do estabelecimento.

Dono do Terrier Brasileiro, Acker relata que, perto do meio-dia de segunda-feira, Snoopy entrou no restaurante a procura do dono, quando foi atingido na cabeça pelo chute.

Em seguida, o funcionário teria sido vítima de uma tentativa de linchamento. Ele foi afastado temporariamente do trabalho para evitar conflitos com frequentadores do estabelecimento. O caso foi registrado pela Brigada Militar, que emitiu um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) – registro de crime de menor relevância – e encaminhou o documento para o Fórum de Novo Hamburgo.

Fonte: Zero Hora

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.

DEIXE UMA RESPOSTA