Os cães e gatos nascem com habilidade para nadar, o que torna o afogamento raro. O que geralmente acontece é que eles pulam ou caem na água e não conseguem sair, ou por ficarem muito cansados ou pelas bordas da piscina serem muito abruptas, ou por qualquer outro obstáculo. Quando eles perdem a força e escorregam para debaixo d’água, eles literalmente inspiram água para dentro de seus pulmões, podendo danificá-los, impedir a entrada de oxigênio e levar à asfixia.

Observe os lábios, as bordas dos olhos ou as gengivas: em um afogamento, a falta de oxigênio torna esses tecidos cinza ou azuis, em vez do rosado costumeiro.

Em caso de afogamento, mantenha a calma e siga os seguintes passos:

1. Tire seu animal da água. É mais seguro que você não entre na água, a menos que seja um gato ou um cachorro pequeno. Use qualquer coisa que você possa fisgar a coleira do seu animal e puxar seu animal para junto de você.

2. Tire a água dos pulmões do seu animal. Você terá de remover a água de seus pulmões, sua traqueia e sua boca, segurando-o de cabeça para baixo. Pegue um animal pequeno por suas patas traseiras ou um animal maior pela bacia, vire-o de cabeça para baixo e dê lhe uma boa chacoalhada. Se for possível, faça com que alguém lhe dê uns golpes firmes nos dois lados do peito durante 10 a 15 segundos. Às vezes, isso tudo é preciso para que a respiração recomece.

Alguns animais vivem uma situação chamada afogamento seco, na qual o medo ( ou temperaturas baixas) faz com que a laringe – a passagem de ar para os pulmões – entre em espasmo. Talvez não haja água nos seus pulmões, mas mesmo assim ele não consegue respirar.

3. Comece a respiração artificial. veja como fazê-la em nossa matéria, no link a seguir:

http://clubedosanimais.com.br/o-que-fazer-se-o-seu-animal-sofrer-um-acidente-de-carro/

4. Leve seu animal imediatamente ao veterinário.