Na época da Páscoa muitos pais acabam cedendo aos pedidos das crianças e compram coelhos para ofertar de presente junto com ovos de chocolate. “A primeira coisa é saber que um coelho é bem diferente de um ovo de páscoa. Trata-se de um animal, não um brinquedo ou um objeto. Ter um coelho é uma responsabilidade, é como ter um cão, um gato ou qualquer outro animal”, alerta o Dr. Alessandro F. A. Bijjeni, médico veterinário especialista em Animais Silvestres e professor do CETAC – Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária (SP).

Outra questão a ser avaliada antes da aquisição é que a expectativa de vida de um coelho é de aproximadamente 12 anos. Existem diversas raças de coelhos, dos gigantes aos anões e, obviamente, quanto maior o animal, maior sua necessidade de espaço livre. “Os indivíduos pequenos podem ser mantidos em gaiolas grandes, mas para algumas raças fica inviável. Sempre aconselho que sejam criados com a maior liberdade possível. O ideal seria manter o animal em uma área aberta, com espaço para brincar, correr, pular, se esconder”, orienta o veterinário.

Os coelhos são animais que vivem muito bem sozinhos, ainda mais quando o proprietário costuma ter bastante contato com o animal. “Aconselho como pet sempre um único coelho. Sendo animais de sexo oposto, a reprodução é certa, por isso caso queira um casal de estimação sem desejar a reprodução, indicamos sempre a castração. Optando por animais do mesmo sexo, podem haver brigas, sendo dois machos ou duas fêmeas. Alguns exemplares são extremamente territorialistas”, aponta o Dr. Alessandro.

Os coelhos são animais herbívoros e a sua alimentação é muito simples, basicamente constituída de ração para coelhos, verdurasescuras e frutas em menor quantidade. Portanto não se deve administrar carne, leite, doces ou qualquer outro alimento de origem animal ou que fuja da dieta de um herbívoro. Não dê catalônia, temperos, como salsinha e verduras claras, como alface. A água deve ser fornecida à vontade. “Eu particularmente sou a favor de uma oferta grande de folhas (couve, almeirão, escarola, agrião, rúcula), e a ração em uma porção menor. Geralmente as pessoas utilizam ração como base e esporadicamente verduras, mas aconselho a matéria fibrosa como base alimentar”, orienta.

É importante ressaltar que os coelhos são animais relativamente frágeis em termos de estrutura óssea, ou seja, é sempre bom tomar cuidado com quedas. Até por isso não são recomendados para crianças muito pequenas. “Não digo que não possam ficar no colo, deitados no sofá ou locais semelhantes, mas é sempre bom ficar atento com possíveis quedas”, alerta.

Dóceis e apegados aos donos, os coelhos dificilmente mordem ou machucam as pessoas. “Brinco sempre dizendo que quem tem boca, morde. Ou seja, acidentes podem acontecer. Coelhos são animais excelentes para crianças, jovens, adultos e idosos. Não são animais agressivos, mas em caso de unhas grandes elas podem arranhar sim. Em relação a mordidas, raramente acontece”, revela.

Segundo o dr. Alessandro é muito importante pesquisar antes de adquirir um exemplar. “Muita gente ainda busca um animal sem pesquisar sua manutenção e ai, acaba se desfazendo do animal de um dia para o outro. Infelizmente é a cultura do povo. Coelhos são abandonados assim como cães, gatos, pássaros e até seres humanos”, ressalta.

A criação de coelhos é bem tranquila. “São animais tranquilos em sua maioria e se tornam extremamente mansos quando criados de maneira correta. Algumas pessoas se espantam quando digo que os coelhos aprendem facilmente a urinar e defecar em locais específicos como, por exemplo, caixas de areia de gato. Isso com certeza é um ponto favorável que pesa muito no momento da aquisição de um animal. É bom deixar claro que são animais que necessitam de alimentação diária, assim como limpeza e cuidados básicos. É importantíssimo saber que podem chegar a 8, 10, 12 anos de idade, ou seja, a responsabilidade é grande e duradoura. Lembre-se: Animal não é brinquedo!”, finaliza.

Fonte: Pet Rede