Foto: Anselmo d’Affonseca

Um pássaro endêmico da Amazônia se tornou o animal que emite o som mais alto já registrado.

O pássaro araponga-da-amazônia (Procnias albus) foi capturado em vídeo produzindo seu zumbido ensurdecedor e mais alto que o som de uma serra elétrica ou os decibéis emitidos em um show de rock.

É um pequeno pássaro branco com bico preto, parece despretensioso e pesa apenas meio quilo (250g), mas emite o monstruoso ruído de 125dB (decibéis) ao procurar por um companheira.

O araponga-da-amazônia foi filmado entre as copas das árvores nas montanhas no norte da floresta amazônica, cantando para uma fêmea para tentar agradá-la e seduzi-la.

Os cientistas que filmaram o pássaro disseram que as fêmeas podem colocar sua audição em risco ao pousarem tão perto dos machos, mas pode valer a pena para que elas possam examinar seu parceiro.

“Tivemos a sorte de ver as fêmeas se juntando aos pássaros do sexo masculino em seus poleiros”, disse o professor Jeff Podos, biólogo da Universidade de Massachusetts.

“Nesses casos, vimos que os machos cantam apenas suas músicas mais altas”.

Foto: Anselmo d’Affonseca

“Não apenas isso, eles giram dramaticamente durante essas músicas, de modo que cantam a nota final da música, diretamente tocando nas fêmeas”, disse o biólogo.

O professor Podos confessa ainda que gostaria “muito de saber porque as fêmeas voluntariamente ficam mais próximas dos machos quanto mais alto eles cantam”.

“Talvez elas estejam realmente tentando avaliar os machos de perto, embora correndo o risco de danificar seus aparelhos auditivos”, considera ele.

O pássaro emite uma chamada que soa como uma campainha e, no vídeo, começa com uma nota e depois passa para outra mais alta ainda.

Ele mantém a boca aberta enquanto faz o som e parece estar sentado no ponto mais alto de uma árvore.

Foto: Anselmo d’Affonseca

Em comparação com outros animais, o chamado araponga-da-amazônia canta três vezes mais alto que o recorde anterior pertencente ao pássaro criócró ou piha-gritador (Lipaugus vociferans).

O ouvido humano começa a ficar danificado quando ouve sons a partir de 85dB – cerca de 40dB abaixo do choro do pássaro.

Ficar a um metro de distância de uma buzina de carro quando dispara é igual a cerca de 110dB, enquanto uma broca pneumática – ou britadeira – é de 100dB.

Uma serra elétrica tem cerca de 120dB e música rock ao vivo é de 110dB.

Os pesquisadores não sabem como o pássaro consegue fazer um barulho tão alto, mas concordam que é preciso um esforço significativo para tanto.

À medida que o canto fica mais alto, o professor Podos e seus colegas notaram que ele se torna mais curto – potencialmente porque os pássaros ficam sem fôlego enquanto o fazem.

Os arapongas-da-amazônia têm músculos invulgarmente grossos no abdômen e costelas particularmente fortes, o que pode ajudá-los a fazer o barulho alto, disseram os cientistas.

O professor Podos acrescentou: “Não sabemos como os pequenos animais conseguem ficar tão barulhentos. Estamos realmente nos estágios iniciais de compreensão dessa biodiversidade”.

A pesquisa foi publicada na revista Current Biology.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/10/passaro-da-amazonia-bate-recorde-mundial-como-a-ave-que-emite-o-som-mais-alto-ja-registrado/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.