Foto: Moving Animals

Foto: Moving Animals

O grupo sobrecarregado de 14 elefantes explorados para carregar turistas nas costas, nas temperaturas mais quentes, sob um sol escaldante e sem descanso, não será mais obrigado a trabalhar no templo de Angkor Wat, onde mais de 2,5 milhões de visitantes internacionais chegam a cada ano.

Eles serão transferidos para um centro de conservação da vida selvagem até o início de 2020, confirmou o Comitê do Grupo de Elefantes de Angkor.

Em 2016, um elefante desmaiou e morreu enquanto transportava dois turistas para o monumento religioso, provocando indignação internacional com a prática cruel.

Dois anos depois, uma petição para acabar com os passeios de elefantes ganhou mais de 14 mil assinaturas em apenas 48 horas depois que outro animal morreu de exaustão no mesmo local.

Oan Kiry, diretor do Comitê do Grupo Angkor Elephant, disse: “No início de 2020, nossa associação planeja acabar com o uso de elefantes para transportar turistas.

“Os turistas ainda poderão observar os elefantes e tirar fotos deles em nosso centro de conservação e reprodução”.

Queremos que os elefantes vivam da maneira mais natural possível. ”O grupo de campanha Moving Animals, que trabalha para aumentar a conscientização sobre a crueldade por trás dos passeios com elefantes, celebrou a medida, chamando-a de “grande alívio “.

Foto: Moving Animals

Foto: Moving Animals

Um porta-voz da ONG disse: “O fim dos passeios com elefante em Angkor Wat é verdadeiramente um momento decisivo que mostra que a maré está se voltando contra o turismo cruel que explora a vida selvagem”.

“Um número cada vez maior de turistas não quer mais pagar para ver os animais acorrentados ou em cativeiro, e as atrações onde os passeios nas costas dos elefantes continuam, terão que proibir essa prática se quiserem ficar a favor dos turistas e amantes dos animais”.

Acredita-se que ainda existam cerca de 70 elefantes domesticados no Camboja, enquanto especialistas acreditam que há cerca de apenas 500 na natureza.

Foto: Moving Animals

Foto: Moving Animals

Isso inclui cerca de 110 representantes da espécie vivendo no Santuário de Vida Selvagem Keo Seima e quase 200 nas Montanhas Cardamomo.

O número de elefantes selvagens no Camboja e outros países do sudeste da Ásia diminuiu no passado devido à caça, à destruição de habitats e ao conflito entre os animais e as pessoas, sugerem estudos sobre o assunto.

O porta-voz do Ministério do Meio Ambiente, Neth Pheaktra, disse: “O governo está trabalhando com organizações relevantes e especializadas para formular estratégias de proteção e preservação dos elefantes no Camboja para as gerações futuras”.

“Para proteger efetivamente os habitats naturais de elefantes, é necessário fortalecer a lei para combater de forma sólida a caça de animais silvestres e o uso de armadilhas”.

Ele acrescentou que a conscientização entre os agricultores locais em florestas protegidas precisa ser aumentada pois eles frequentemente usam produtos químicos nas plantações ou ferem os elefantes quando eles invadem suas terras.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/06/passeios-com-elefantes-chegam-ao-fim-na-maior-atracao-turistica-do-camboja/#utm_source=rss&utm_medium=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.