Ativistas em manifestação contra a caça aos patos colocaram patos mortos em frente ao escritório de Daniel Andrews, governador de Victoria (Austrália).

Os animais mortos incluíam algumas espécies protegidas que foram mortos a tiros na abertura da estação de caça aos patos, que ocorreu no último fim de semana. A temporada repete uma tradição de 30 anos.

Patos de várias espécies que foram mortos na caça foram dispostos em frente ao gabinete do governador. Foto: AAPImage

Patos de várias espécies que foram mortos na caça foram dispostos em frente ao gabinete do governador. Foto: AAPImage

“O público não quer matança de patos a tiros e é hora disso chegar ao fim”, disse o ativista Laurie Levy, nesta terça-feira.

Levy afirmou que a opinião pública é contrária à caça aos patos, e que o número de atiradores que atuam nas florestas de Victoria é relativamente pequeno.

Ele disse que há um forte apelo da população para que a caça seja banida.

“O público não apenas atribui aos atiradores a culpa pelas mortes no massacre que continua, como também responsabiliza os políticos por permitirem que isso aconteça”, disse Levy.

“Nós não conseguimos deter os poucos atiradores que restam, mas podemos esperar dos nossos governantes que façam algo a respeito e acabem com isso”, acrescentou ele.

Seis patos de espécies ameaçadas de extinção e um cisne foram atingidos em Lake Burrumbeet no sábado, segundo a reportagem.

Foto: AAPImage

Foto: AAPImage

A Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra Animais de Victoria (RSPCA) instalou uma clínica móvel no lago, para tratar dos pássaros que foram feridos com os tiros.

Fotos e vídeos postados nas redes sociais pela organização mostraram animais sofrendo de pernas fraturadas e ferimentos causados por estilhaços.

Foto: RSPCA Victoria/Twitter

Foto: RSPCA Victoria/Twitter

De acordo com a reportagem, o governo de Victoria anunciou uma temporada de caça com a duração de doze semanas nesse ano.

Os animais, além de serem alvejados pelos caçadores, ainda estão sofrendo e morrendo em grande número devido ao clima seco da estação, o que já levou à redução significativa da quantidade de indivíduos em seu habitat.

Via: Anda.jor.br

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.