Há mais de quatro anos, pesquisadores da British Antarctic Survey descobriram, por imagens de satélite, uma colônia de pinguins-imperadores (os mais altos e pesados da espécie, que podem medir até 1,2m de altura e apesar até 45 quilos) em Princess Ragnhild Coast, na Antártida. Suas descobertas foram publicadas em 2009 e apontam a localização de várias populações da mesma espécie.

No entanto, sua existência só foi confirmada em 2012, quando integrantes da estação de pesquisa polar Princesa Elizabeth decidiram empreender uma expedição para encontrar a colônia.

O líder da expedição, Alain Hubert, o mecânico-chefe da estação, Kristof Soete, e Raphael Richard, um guia de montanha suíço, viajaram até a colônia em dezembro do ano passado – e tiveram a honra de ser os primeiros seres humanos a fotografar essa população.

Desde que iniciaram seu trabalho em Princess Ragnhild Coast, os cientistas encontraram várias colônias de pinguins-imperadores, mas esta se localizava em uma região remota, embora seja densamente povoada.

Hubert e Soete fizeram a descoberta enquanto trabalhavam em uma pesquisa a cerca de 50 quilômetros da colônia, que pode revelar aos cientistas como os pinguins enfrentam a mudança climática. Os pinguins se reproduzem no solo antártico, e quando o gelo se rompe precocemente (devido ao aumento das temperaturas), antes que os filhotes se tornem independentes, podem morrer e ameaçar o futuro da colônia. Felizmente, ela se encontra em um local considerado seguro.

Fonte/Foto: Animal Planet/©International Polar Foundation/Alain Hubert

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.

DEIXE UMA RESPOSTA