Organizações em defesa dos direitos animais e da conservação do planeta ficaram atônitas com o assassinato de uma baleia-comum, ameaçada de extinção, no último dia 22 de junho pela empresa baleeira Hvalur hf, desafiando a proibição internacional de caça às baleias.

Uma baleia-comum, ameaçada de extinção, foi morta pela empresa baleeira Hvalur hf, desafiando a proibição internacional de caça às baleias.

Foto: EIA

A caça é a primeira da Islândia em três anos, e marca o início de uma temporada de assassinatos que pode resultar em até 238 dessas criaturas majestosas mortas.

Uma baleia-comum de 20 metros que passou a noite na estação baleeira de Hvalfjörður, na Islândia, tragicamente tornou-se a primeira vítima da controversa nova temporada.

O CEO da Hvalur, Kristján Loftsson, recentemente provocou indignação quando anunciou planos para retomar a caça ao segundo maior animal do planeta. A empresa comercializará a carne de baleia, a gordura e os ossos para a produção de suplementos de ferro e outros produtos medicinais ou alimentícios.

“Esta é realmente uma desculpa inconsistente para continuar com a caça às baleias”, observou Vanessa Williams-Gray, gerente de políticas da Whale and Dolphin Conservation (WDC), em um comunicado.

“Não há justificativa para matar uma espécie em extinção por qualquer motivo, muito menos em nome de ‘remédio’. Essas baleias geralmente morrem em agonia e por quê? Um truque de marketing desesperado sem benefício comprovado ou registro de segurança? ”

Pela primeira vez desde que a atividade baleeira comercial foi retomada em 2006, a cota de baleias da Islândia permite que os baleeiros expandam sua caça às águas a leste do país.

“As baleias-comuns são altamente migratórias, ameaçadas e protegidas por diversos tratados internacionais ”, disse Susan Millward, diretora de programas marinhos do Instituto de Bem-Estar Animal (AWI).  “Esse massacre acontece às custas da própria indústria baleeira da Islândia e também ameaça a subsistência de pessoas a milhares de quilômetros de distância ”, disse Millward.

A carne de baleia-comum não é popular na Islândia; o principal mercado está no Japão. Desde 2008, mais de 8.800 toneladas de carne e gordura de baleia foram embarcadas para o Japão, apesar da proibição do comércio internacional de carne de baleia no âmbito da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES).

“É insustentável que nos dias de hoje um país tão conhecido por seu turismo natural manche sua imagem ao permitir que a atividade baleeira comercial continue em face da crescente oposição doméstica e internacional”, disse Clare Perry, líder de campanhas oceanográficas para a Agência de Investigação do Meio Ambiente (EIA). “Estamos pedindo ao governo islandês que reconheça que essa indústria desnecessária e insustentável não traz nenhum benefício real à economia da Islândia e que recuse a caça.”

O apoio público à caça de baleias está em declínio no país. Dados de 2018 da empresa de pesquisa islandesa MMR revelou que apenas 34% dos islandeses apóiam a caça à baleia, uma queda de 26% em relação a 2013, e 34% da população se opõe ativamente à caça às baleias, em comparação com 18% em 2013.

Na semana passada, um grupo de manifestantes pacíficos se reuniu no porto de Reykjavík para marcar a abertura oficial da temporada de caça. O primeiro-ministro da Islândia, Katrín Jakobsdóttir, pediu uma revisão dos impactos às baleias e da caça desse animal na imagem e economia da Islândia.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/06/primeira-baleia-morta-temporada-caca/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.