O Senado canadense aprovou a Lei de Cosméticos Sem Crueldade de Bill S-214 em sua terceira leitura. Se aceita ns Câmara dos Comuns no início da próxima sessão legislativa em setembro, ela proibirá os testes em animais na indústria de cosméticos em todo o Canadá.

Reprodução | World Animal News

As empresas Body Shop e a Cruelty Free International elogiaram o resultado, e viram o cenário como uma oportunidade de aumentar o alcance da campanha que lançaram conjuntamente, a “Forever Against Animal Testing” – que até o momento já coletou 6,5 milhões de assinaturas. A dupla entregou uma petição ao Parlamento canadense com cerca de 630.000 assinaturas de canadenses em apoio à proibição. Essa foi a maior petição a ser entregue em mais de 70 anos.

“Este é um progresso fantástico. O apoio do governo canadense, e em particular do senador Stewart Olsen, nos leva um passo mais perto da proibição de testes em animais com cosméticos no Canadá, para sempre”, disse Jessie Macneil-Brown, chefe de Campanhas Globais da The Body Shop International em entrevista ao portal World Animal News. “Pedimos a todos em todos os lugares para manter campanhas apaixonadas e defender aqueles que não têm voz! Nossa luta ainda não acabou”.

Monica Engebretson, Gerente de Campanha da Cruelty Free International na América do Norte, acrescentou ainda que “estamos muito satisfeitos com o fato de o Canadá estar se unindo ao crescente movimento internacional em direção a um mundo sem exploração de animais em testes para cosméticos. O Canadá agora tem uma oportunidade real de se tornar o líder norte-americano nesta questão”.

“Ao acabar com a venda de cosméticos testados em animais, o Canadá pode acompanhar o progresso global e atender às demandas dos consumidores em todo o Canadá, que demonstraram algumas vezes que apoiam um país livre de crueldade”, ela finaliza.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/07/projeto-de-lei-contra-testes-em-animais-na-industria-de-cosmeticos-e-aprovado-no-senado-do-canada/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.