Foto: James Pyatt News Ltda

Quatro leões sofreram mortes agonizantes após serem alimentados com comida envenenadas, para que caçadores pudessem cortar suas patas e mandíbulas para serem usadas em poções de magia negra na África do Sul.

Os leões machos Thor e Mumford e as leoas brancas Isis e Mia morreram em tormento depois que os assassinos frios e inescrupulosos terem jogado as refeições mortais para os animais e esperassem que elas surtissem efeito.

Mas antes que eles pudessem usar seus facões afiados para cortar as patas dos leões e roubar suas garras, além de cortar suas mandíbulas para roubar seus dentes, eles foram descobertos.

Foto: James Pyatt News Ltda

Os cães de uma pequena propriedade próxima ao Chameleon Village Lion Park, em Hartbeespoort, norte de Joanesburgo, ficaram furiosos e acordaram seus tutores nas primeiras horas.

Os caçadores fugiram quando ouviram os latidos e os gritos dos guardas do parque que correram para checar os leões, mas encontraram quatro dos seis animais mortos.

O responsável pelo parque, Hennie Pio, 31 anos, disse ao Daily Mail em reportagem de 07 de novembro: “Eu cuidei desses leões por 11 anos e dei mamadeira a três deles com minha esposa Isabel e o ódio que sinto por quem fez isso é enorme”.

Foto: James Pyatt News Ltda

“Não há outra razão para matarem esses belos animais além de mutilá-los e roubar suas partes do corpo para serem vendidos pelo melhor lance e serem usados em poções de magia negra”.

“O que me irrita é que isso está acontecendo cada vez mais e ninguém é pego. Perdi meus quatro melhores amigos, mas sou grato por não terem tido tempo de mutilá-los”.

“Se eu os tivesse encontrado assim, ali teria me destruído sem questionar”.

“Temos guardas de segurança no local e estamos investigando o que aconteceu, mas se vamos reconstruir, teremos que melhorar nossa segurança para impedir que isso aconteça novamente.

Foto: James Pyatt News Ltda

“Meu filho WJ tem apenas três anos e conhece e brinca com esses leões, eles eram seus amigos, e ele continua perguntando onde eles estão, e eu lhe disse que agora eles estão no céu”.

“Alguém lá fora sabe quem está por trás disso, mas tudo o que encontramos é um muro de silêncio”, disse ele.

Hennie e sua esposa Isabel, 26, que administram o popular parque dos leões, que também tem um centro de cobras e répteis, um parque africano e lojas tradicionais, disseram que ficaram arrasadas.

Foto: James Pyatt News Ltda

Os quatro leões que foram mortos eram leoas-brancas Isis, 11, e Mia, 7, e os leões tawny Thor, 7 e Mumford, 8, deixando o parque com dois leões sobreviventes e dois tigres.

“Perdi companheiros que estiveram comigo por 11 anos da minha vida graças a essas pessoas más que não veem nada errado em alimentar esses magníficos animais com carne cheia de veneno e depois cortá-los em pedaços”, disse Hennie. “A polícia tem sido excelente e só espero que eles descubram quem fez isso”.

Na semana passada, quatro leões conhecidos como Orgulho de Rietvlei foram envenenados e tiveram suas patas e mandíbulas cortadas por caçadores furtivos que atacaram a Reserva Natural de Rietvlei a 64 quilômetros de distância, em Pretória.

Foto: James Pyatt News Ltda

A reserva é uma das maiores reservas do mundo e sua excelente segurança foi violada.

O guarda florestal Bradden Stevens, 33 anos, ficou perturbado quando foi chamado para examinar os corpos encharcadas de sangue dos quatro grandes felinos que ele havia dedicado quase uma década de sua vida a proteger.

Em abril do ano passado, Gert Claasen, 48 anos, matou 3 leões para pegar partes de seu corpo e mais outros 3 foram roubados para serem mortos posteriormente da reserva em Petrus Steyn, na Província de Estado Livre.

Em maio do ano passado, no Parque dos Predadores de Jugomara, na província de Limpopo, Justin Fernandes, 32, encontrou três leões e um tigre branco raro cortado em pedaços também por partes do seu corpo.

Foto: James Pyatt News Ltda

E em julho do ano passado, Christa Sayman, 55 anos, perdeu seis leões para caçadores que arrancaram a cabeça e as patas de quatro leões adultos para usar poções de magia negra e mataram outros dois filhotes de leão.

Um esqueleto completo de leão pode ser comprado na África do Sul por 1000 libras (cerca de 5200 reais), mas no Vietnã vale £ 50.000 e as garras e os dentes de um leão são altamente valorizados e alcançam preços altos no mercado paralelo.

Uma curandeira tradicional de Limpopo, que não quis divulgar seu nome, disse: “As partes do corpo do leão são usadas para fazer uma poção de bruxaria preparada por curandeiros para lançar feitiços.

Foto: James Pyatt News Ltda

“Elas podem ser usadas para proteger uma pessoa de doenças, curá-las ou tornar homens fortes ou viris, ou até mesmo usadas para espantar os inimigos ou proteger alguém”, disse ela.

A Dra. Kelly Marnewick, do Endangered Wildlife Trust (Fundo de Espécies Ameaçadas da Vida Selvagem), acompanha de perto o número de leões mutilados e degolados ou mortos em fazendas e santuários particulares de reprodução em toda a África do Sul.

Ela disse: “São principalmente as garras, cabeças e dentes dos leões que os caçadores perseguem e em 2017 houve 22 leões em cativeiro mortos e isso é algo que estamos observando de perto”.

Teme-se agora que ossos de leão estejam sendo procurados para substituir os ossos de tigre muito mais raros que são procurados no sudeste da Ásia, que estão sendo contrabandeados para uso em medicamentos tradicionais.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/11/quatro-leoes-sao-envenenados-para-que-suas-cabecas-e-garras-pudessem-ser-cortadas-e-usadas-em-ritual/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.