Niterói é um refúgio para a vida silvestre, tendo 46% de seu território protegidos por legislação ambiental. Mas a proximidade das áreas preservadas com as de concentração traz consequências: apenas nos seis primeiros meses deste ano, a Coordenadoria Ambiental da Guarda Municipal resgatou 510 animais silvestres em situação de risco, uma média de 85 salvamentos por mês.

Reprodução | O Globo

Esse número representa um aumento de 131% na comparação com o mesmo período de 2017, quando foram resgatados 220 animais. Segundo a prefeitura, desde janeiro de 2016, já foram salvos mais de 2.500 bichos de variadas espécies, entre elas tartarugas, filhotes de gambás e de micos, corujas, porcos-espinhos, bichos-preguiça, tamanduás, capivaras, caranguejos, pássaros silvestres e cobras.

Quando o animal não está ferido ou necessitando de cuidados, é reintegrado imediatamente ao seu habitat natural. Do contrário, o procedimento é levá-lo ao Centro de Triagens de Animais Silvestres (Cetas), em Seropédica; ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Crase) ou ao Centro de Atendimento de Animais Marinhos (Cat), ambos no Rio. No caso de cobras peçonhentas, o destino é o Instituto Vital Brazil. Posteriormente, todos eles são reintegrados a seus ambientes naturais.

As ações ocorrem por toda a área verde da cidade, mas, principalmente, na Região Oceânica. O subinspetor Edson Jorge Martins, responsável pela coordenadoria, explica que houve um grande aumento de acionamentos nos últimos meses, uma vez que a população passou a conhecer melhor o trabalho do grupo.

“Além do resgate, a corporação trabalha com primeiros socorros aos bichos encontrados. Para cada animal é dado tratamento de acordo com a situação”, afirma Martins, destacando que, mesmo que o animal seja inofensivo, a recomendação ao cidadão é que não se aproxime e ligue imediatamente para o número 153, do Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp).

Segundo a prefeitura, desde janeiro de 2016, foram realizadas 799 ações de fiscalização ambiental pela coordenadoria. Elas são decorrentes de denúncias de remoção de árvores e captura de caranguejos e mariscos em período de defeso. Nesse mesmo período, foram promovidas 38 ações de combate a incêndio.

Formatura
Na última quarta-feira, a Secretaria de Ordem Pública (Seop) formou a sua primeira turma do curso de Meio Ambiente da Guarda Municipal, com 19 agentes. O curso durou mais de um mês e contou com aulas práticas e teóricas sobre técnicas de resgate e salvamento em matas e montanhas, manejo de animais peçonhentos, legislação ambiental, mergulho básico, técnicas de rapel, sensoriamento remoto e geoprocessamento, e para laçar animais.

Francisco Lima Torres, diretor do Departamento de Ensino e Pesquisa da Guarda Municipal, explica que os cursos são promovidos com o objetivo de corresponder ao aumento da demanda dos agentes da coordenadoria de Meio Ambiente: “É um serviço hoje muito acionado, em função da quantidade de parques e da proximidade das áreas verdes com residências.”

Fonte: O Globo

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/08/resgate-de-animais-silvestres-cresce-131-em-um-ano-em-niteroi/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.