Um salva-vidas estava trabalhando na Praia de Belmar, no estado de Nova Jersey, nos EUA. Ao que tudo parecia era um dia como qualquer outro. Foi então que ele se deparou com uma situação bastante inusitada: na areia da praia, ele pode avistar um tubarão encalhado, por minutos ou talvez horas – não teria como saber.

Reprodução | One Green Planet

O animal estava deitado indefeso na areia e era claro que ele precisava de ajuda urgente. Toda a história foi compartilhada por Lauren Cooper, uma mulher presente durante o incidente, em seu perfil do Facebook. De acordo com ela, o pobre tubarão não conseguiu voltar às ondas, e não se sabia quanto tempo mais ele aguentaria naquela situação.

Infelizmente, histórias com tubarões nem sempre terminam felizes, mas desta vez o final foi diferente. O salva-vidas não hesitou em ajudar o pequeno tubarão – e eles fizeram isso da maneira mais surpreendente. Ele sabia que tinha que levar o animal de volta para a água. Se deixado na praia, o tubarão logo “se afogaria”, por não poder respirar.

Reprodução | One Green Planet

Então o corajoso e também cuidadoso homem decidiu colocar o animal cuidadosamente em sua prancha e levou o tubarão para a água, salvando a vida do animal. O resgate foi testemunhado por muitas pessoas que estavam na praia.

Tubarões desempenham um papel extremamente importante na manutenção da saúde dos oceanos, e a imagem pública que esses animais receberam – pense em Jaws – tem muito pouco a ver com a realidade quando se trata de mais de 400 espécies de tubarões nadando nos oceanos.

O salva-vidas de Belmar devolveu o tubarão encalhado ao seu lar natural e o fez de uma forma que seria a menos arriscada. Resgatar a vida selvagem muitas vezes salva vidas – mas é importante lembrar que você deve sempre tentar entrar em contato com um profissional primeiro e não tentar um resgate se não for seguro fazê-lo.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/08/salva-vidas-carrega-tubarao-encalhado-em-prancha-de-surf-e-o-devolve-ao-oceano/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.