Uma empresa norte-americana de carne vegana, a Impossible Foods, lançou seu relatório de sustentabilidade de 2018. Para fundamentar os estudos, ela se associou a pesquisadores da Universidade Técnica da Dinamarca, que mediram o impacto ambiental de seu principal produto, o vegan ‘Impossible Burger’.

Reprodução | LiveKindly

Com base nos resultados obtidos, a pesquisa revelou não apenas que o impacto é bem mais ameno ao meio ambiente, mas outra questão alarmante: se 50% da população do país substituísse a carne consumida por versões veganas, as famosas ‘fake meats’, a pegada de carbono seria reduzida em até 45 milhões de toneladas – o equivalente a retirar as emissões de até 11 milhões de motoristas nos EUA por um ano. Além disso, seriam economizados cerca de 3,2 trilhões de litros de água – a quantidade de água usada por 90 milhões de americanos em um ano.

Intitulado “Missão: Terra”, o novo relatório registra o progresso da marca de tecnologia alimentícia com sede na Califórnia, e deu ainda mais motivos para que eles continuassem trilhando o caminho para o que foi o objetivo da marca desde a sua criação: tornar a agricultura animal obsoleta até 2035.

O sucesso da empresa já é nítido. Um de seus hambúrgueres veganos mais conhecidos, famoso por seu sabor e textura realista, agora é servido em mais de 3 mil restaurantes ao redor do mundo, não apenas nos EUA. Hong Kong e Macau, bem como em voos da Air New Zealand fazem parte do mercado consumidor.

“Ao eliminar a necessidade de animais no sistema alimentar, vamos voltar enormes extensões de terra para a biodiversidade, reduzir a insegurança alimentar e os conflitos globais, e deixar a Terra curar a si mesmo”, disse o fundador e CEO da Impossible Foods, Pat Brown, em entrevista ao portal Live Kindly. “Eliminar a necessidade de animais no sistema alimentar é o caminho mais fácil para preservar nosso planeta – sem comprometer a qualidade de vida”.

Os especialistas também descobriram que uma mudança para a carne vegana também significaria a preservação de uma quantidade significativa de terra. Cerca de 190 mil km² de terra atualmente são usadas para a criação de gado e sua alimentação – uma área relativamente igual ao tamanho do estado do Paraná – seria liberado a cada ano e poderia ser usada para florestas de captura de carbono ou para o cultivo mais sustentáveis: como feijão ou grãos.

“Esperar que as pessoas eliminem ou até reduzam a carne, peixe e laticínios de seus animais que amam não é realista”, afirma o relatório. “Apesar do crescente reconhecimento de que a agricultura animal está destruindo o planeta, a demanda global por alimentos derivados de animais está aumentando. Precisamos resolver esse problema de outra maneira”.

Produzir o ‘Impossible Burger’ requer recursos significativamente menores do que a carne tradicional, de origem animal. De acordo com a empresa, seu hambúrguer vegano usa 75% menos água, 95% menos terra, e gera 87% menos gases do efeito estufa do que carne bovina. De acordo com o maior estudo de análise de produção de alimentos já realizado, a comida vegana é a maneira mais eficaz de combater as mudanças climáticas.

“A estratégia mais segura para a substituição da tecnologia mais destrutiva da Terra é criar deliberadamente alimentos que proporcionam maior prazer e valor para os consumidores de carne, peixe e laticínios, em seguida, um simplesmente oferecê-los como uma escolha – e deixar a demanda do mercado cuidar do descansar “, declara o relatório.

Usando um processo ambientalmente amigável de extrair heme, um não-OGM molécula, rica em ferro encontrado na soja, alimentos Impossível criou uma carne vegan Isso, para todos os cinco sentidos, parece ser a coisa real. Ele também se comporta como carne moída em todas as aplicações práticas de culinária, como hambúrgueres, almôndegas e até pratos internacionais. Em abril passado, o diretor financeiro da Impossible Foods, David Lee, disse que o objetivo final da empresa é criar carne vegana e laticínios para todas as regiões culturais do mundo.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/08/se-norte-americanos-cortassem-o-consumo-de-carne-pela-metade-115-mil-km%C2%B2-de-terras-seriam-poupadas/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.