O processo envolvendo fraude de títulos começou a ser movido contra o SeaWorld em 2014 (Acervo: Kimmela Center for Animal Advocacy)

O parque aquático SeaWorld vai ter que pagar mais de cinco milhões de dólares aos seus acionistas depois de ocultar o negativo impacto financeiro causado pelo documentário “Blackfish”, que denuncia o tratamento rigoroso e cruel dispensado às baleias.

A conduta do SeaWorld deu origem a uma ação de fraude de títulos, de acordo com a Securities and Exchange Comission (SEC) dos Estados Unidos. O processo começou a ser movido contra o parque em 2014, um ano após o lançamento de “Blackfish”, quando o parque passou a amargar queda no número de visitantes.

“Esse caso ressalta a necessidade de uma empresa fornecer aos investidores informações oportunas e precisas sobre o impacto negativo em seus negócios”, disse o codiretor da SEC, Steven Peikin, em comunicado oficial.

Mesmo com inúmeras denúncias de maus-tratos e o endosso de celebridades e organizações alertando a população sobre a realidade dos animais usados como entretenimento, a direção do parque aquático ainda nega que eles não vivam em boas condições. No ano passado, o SeaWorld registrou queda de 1,2 milhão de visitantes.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/09/seaworld-tera-de-pagar-mais-de-u-5-milhoes-por-ocultar-impacto-financeiro-causado-pelo-documentario-blackfish/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.