O governo dos EUA está prestes a matar milhares de cães-de-pradaria para controlar ambiente de pastagens para agricultores. O Serviço Florestal dos EUA (USFS) anunciou que envenenaria até 100 colônias de cães-de-pradaria no decorrer de quase 2 mil acres de território em Little Missouri Grasslands, North Dakota.

Esses animais vivem há séculos nessa região, mas os fazendeiros utilizam a terra para pastagem de gado. O plano de envenenamento deve afetar milhares, de cães-de-pradaria, que são pequenas criaturas conhecidas por sua devoção à família. Além do mais, esses pequenos mamíferos já tiveram sua população dizimada em 95% nos últimos séculos.

Cães-de-pradaria podem ser exterminados por plano cruel de governo americano (Foto: Shutterstock)

Cães-de-pradaria podem ser exterminados por plano cruel de governo americano (Foto: Shutterstock)

As fontes naturais de alimento desses pequenos animais são gramíneas curtas e plantas que crescem nas pastagens, e é isso que as coloca em apuros, já que os fazendeiros querem usar essa mesma grama para alimentar seu gado.

Razões do extermínio

Alegando destruição, os pecuaristas dizem que os animais estão acabando com os campos nativos, porém não é o que dizem os especialistas. Lindsey Krank, cientista ambiental e diretora da Prairie Dog Coalition, que faz parte da Humane Society dos Estados Unidos (HSUS), explica que, na verdade, os cães-de-pradaria ajudam a manter as pradarias, e não destruí-las.

“Eles arejam e agitam o solo”, disse Krank em entrevista ao The Dodo. “Eles são pastadores nativos das pastagens norte-americanas. Sim, eles comem grama também, mas também desempenham seu papel em manter a pastagem saudável”.

A cientista também explicou que mais de 200 outras espécies de animais, incluindo aves, corujas, raposas e texugos, dependem dos cães-de-pradaria para sobreviver nas pradarias. “Muitos deles dependem de suas populações para uma fonte de alimento ou vivem em suas tocas para se abrigar”, disse Lindsey.

Um porta-voz dos Serviço Florestal explicou ao The Dodo  que o departamento precisava “ser sensível à preocupação pública pela invasão de cães-de-pradaria em terras administradas pelo Serviço Florestal, cumprindo assim a política de boa vizinhança”. Ainda explicou que os cães da pradaria precisavam ser removidos por razões de “saúde pública, produção agrícola, valores da terra e instalações em terras privadas”.

Cães-de-pradaria podem ser exterminados por plano cruel de governo americano (Foto: Shutterstock)

Cães-de-pradaria podem ser exterminados por plano cruel de governo americano (Foto: Shutterstock)

Visando exterminar os animais, os oficiais do governo usarão o rodenticida, uma substância venenosa que mata os cães da pradaria de forma lenta e dolorosa. “Pode levar dias para um cão-de-pradaria morrer pelo veneno, sangrando lentamente”, disse Lindsey. “Esta prática é cruel e desumana e foi proibida para uso em cães e gatos por décadas”.

Recorrência

Infelizmente, esta não é a primeira vez que o governo dos EUA matou cães-de-pradaria. Somente em 2016, o governo dos EUA matou mais de 14 mil cães-de-pradaria e destruiu mais de 68 mil tocas desses animais.

Em vez de envenenar cães da pradaria, a cientista defende formas mais éticas de remover os animais da terra e em torno de fazendas. Lindsey também apoia o uso de barreiras vegetativas pelo Serviço Florestal, para evitar que os cães da pradaria migrem para terras indesejadas. “Essa é uma ferramenta sólida que funcionou no passado”, disse Krank. “Acho que todos podemos concordar que preservar a vida selvagem e nossa herança natural é importante para os americanos ”, acrescentou a cientista, que preza pelo bem-estar dessa espécie animal que, como ela descreveu, “tem um lugar especial na natureza, como uma espécie-chave”.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/05/eua-matar-caes-de-pradaria/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.