Foto: CPRH/Divulgação

Um tamanduá-de-colete (Tamandua tetradactyla) que vinha sendo criado há sete meses por uma moradora do bairro de Engenho Maranguape, em Paulista, Região Metropolitana do Recife (PE) à Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) para que seja reabilitado no Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara) e volte, em breve, a viver solto na natureza. Ele foi encontrado, com poucas semanas de vida, após uma queimada (desmatamento) ocorrida em área de mata.

O casal que fez a entrega voluntária do tamanduá informou que cuidou do mesmo desde que ele foi encontrado por um rapaz do bairro, após a queimada, e que agora, com o mamífero já mais encorpado, decidiu pesquisar na internet para ver qual seria o melhor destino para o animal. Foi assim que chegou ao trabalho relativo à fauna silvestre desenvolvido pela Agência. “Se a gente morasse num sítio, para que ele vivesse solto, talvez até quisesse ficar com o bichinho”, disse Maria Daniele dos Ramos, junto com o esposo Gaetano Russo.

O tamanduá foi encaminhado ao Cetas Tangara, no bairro de Guabiraba, no início da tarde. Lá, após período de reabilitação, ele será devolvido à natureza, em área de mata onde poderá interagir com outros de sua espécie.

Fonte: Diário de Pernambuco

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/06/tamandua-vitima-de-queimada-em-mata-e-resgatado/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.