Foto: Sara Morris

Esta linda e doce cachorrinha chamada Kaylee ama estar perto de sua família mais do que qualquer outra coisa, seguindo fielmente todos os passos dos seus entes queridos com uma cauda feliz e sempre abanando.

Mas, aos 13 anos, ela acha cada vez mais difícil acompanhar as pessoas que tanto ama.

“Ela tem dificuldade para andar devido a sua artrite nas pernas traseiras e, recentemente, ficou um pouco pior”, disse Sara Morris, tutora de Kaylee, ao The Dodo. “Ela ainda pode andar, mas não por longos períodos de tempo”.

Foto: Sara Morris

Assistir Kaylee tentar lidar com sua mobilidade foi devastador para sua família; ela ainda insiste em estar ao lado daqueles que ama enquanto eles se movem pela casa, mas é claramente uma luta dolorosa para ela às vezes.

Felizmente, o guardião da querida cachorrinha recentemente inventou uma maneira de garantir que Kaylee nunca se sinta deixada para trás.

O pai de Morris, que simplesmente idolatra Kaylee, decidiu ser criativo:

“Em seu dia de folga, ele passou na garagem fazendo algo que tornaria mais fácil para ela estar conosco. Ela adora estar perto de nós e sempre mais perto do meu pai”, disse Morris.

Foto: Sara Morris

“Então, ele fez um carrinho com rodas, para que pudéssemos puxá-la com a gente onde fossemos.”

Era exatamente o que Kaylee precisava.

Agora, enquanto a família caminha de cômodo em cômodo, ou ao ar livre para um passeio, Kaylee é capaz de manter o ritmo sem que seu corpo se canse ou doa.

Foto: Sara Morris

Aqui está um vídeo que Morris compartilhou de seu pai e a cachorrinha ansiosamente testando o novo dispositivo:

“Minha mãe me mandou o vídeo dele puxando ela pela casa pela primeira vez”, disse Morris.

“Quando vi, fiquei muito feliz porque sei o quanto isso significa para ela.”

Amor somado a um pouco de engenhosidade estão ajudando Kaylee a lutar contra os limites que seu corpo artrítico estava começando a impor.

O carrinho especial, claro, não é uma solução perfeita. O pai de Morris ainda garante que Kaylee faça bastante exercício de baixo impacto ao ar livre para evitar que suas articulações fiquem muito rígidas, e tentou facilitar para ela andar sozinha pela casa quando precisa.

Foto: Sara Morris

“Ele adaptou muito as coisas ao redor da casa para torná-la mais acessível para ela se locomover”, disse Morris.

Kaylee é uma cachorra amada – e sua família garantiu que ela soubesse disso. Eles não teriam de outra maneira de proceder.

“Ela é um membro de nossa família e nós nos mudaremos as coisas, nos adaptaremos e nos inclinaremos de bom grado até ela, quantas vezes for necessário”, disse Morris. “E meu pai especialmente!”

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/09/__trashed-6/#utm_source=rss&utm_medium=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.