Prejuízo foi registrado no período de 2017 a 2018 (Foto: NZ Herald)

A multinacional de origem neozelandesa Fonterra, uma das maiores companhias de laticínios do mundo, revelou esta semana que registrou prejuízo de 130 milhões de dólares no período de 2017 a 2018. A queda é bem significativa considerando que de 2016 a 2017 a empresa obteve lucro de 500 milhões de dólares.

Segundo informações do VegNews, a Fonterra admitiu que não foi honesta com seus fornecedores ao dizer que as previsões financeiras para 2018 eram bastante otimistas. O que também preocupa a companhia é que essa é a sua primeira perda de lucros desde que foi fundada há 17 anos.

Nos Estados Unidos, com a queda no consumo de laticínios, grandes empresas do ramo estão investindo na produção de leite vegetais, de acordo com o Food Business News. Um exemplo é a Dean Foods, que encerrou contrato com dezenas de fazendas leiteiras.

Preocupada em ficar fora do mercado de alternativas vegetais, a Dean Foods se tornou acionista majoritária da Good Karma Foods, uma das promissoras concorrentes da marca de leites vegetais Silk. A competição é considerada positiva porque favorece o preço dos leites vegetais e dos iogurtes vegetais ao mesmo tempo em que os laticínios amargam queda nos EUA.

O diretor executivo da Dean Foods, Ralph P. Scozzafava, informou no mês passado que vão investir cada vez mais na Good Karma e na fabricação de alternativas vegetais, considerando o crescente desinteresse por produtos lácteos na América do Norte.

“Achamos que a Good Karma é uma plataforma para nós. E vou lembrar a todos que estiveram aqui, lembre-se de quão pequena era a Silk quando trouxemos a marca para a empresa muitos anos atrás”, declarou Scozzafava, deixando claro que o compromisso é tornar a Good Karma tão popular e conhecida quanto a Silk.

Fonte: Vegazeta

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2018/09/uma-das-maiores-companhias-de-laticinios-do-mundo-registra-prejuizo-de-u-130-milhoes/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.