A especialista em moda britânica, de 44 anos, confirmou esta semana que seguiria os passos da Chanel cortando peles exóticas de sua linha de moda a partir do outono de 2019 em uma tentativa de “refletir os desejos” de seus clientes.

Defensores dos direitos animais disseram ao MailOnline que
sua decisão salvaria a vida de “incontáveis ​​crocodilos, lagartos, cobras
e outros répteis que sofrem com a indústria da moda”.

“Como uma empresa, temos procurado agir com o uso de produtos de origem mais ética que tenham menos impacto ambiental por algum tempo”, disse um porta-voz de Victoria Beckham.

“Estamos felizes em confirmar que deixaremos de usar peles
exóticas em todas as coleções futuras, como em nossa principal apresentação do
ready-to-wear no outono de 2019. Esta decisão reflete os desejos, não só da
marca, mas também dos nossos clientes”.

Respondendo à decisão, a diretora executiva da HSI UK, Claire Bass, disse ao MailOnline: “A decisão de Victoria Beckham de retirar peles exóticas de suas coleções salvará a vida de inúmeros crocodilos, lagartos, cobras e outros répteis que sofrem com a indústria da moda”.

“Esses animais são tipicamente cultivados intensivamente em
condições atrozes e brutalmente mortos, inclusive sendo espancados e esfolados
vivos, tudo por uma bolsa ou cinto”. 

“Os projetos de Victoria já estão livres de pelos em
reconhecimento da crueldade inerente desse comércio, e agora adicionando peles
exóticas à lista de materiais assassinos que ela se recusa a usar, ela está
realmente enviando uma mensagem corajosamente compassiva a seus colegas”.

“O crescimento do luxo e das fibras ecológicas que não
envolvem o perigo de animais está impulsionando rapidamente uma nova e
excitante era da moda ética, e designers como Victoria Beckham, que tiram a
crueldade da passarela, estão abrindo caminho.”

“Rolhas de champanhe estão pipocando na PETA após a promessa
de Victoria Beckham de parar de usar a pele de crocodilos, cobras e avestruzes”,
disse a diretora da PETA, Elisa Allen. As informações são do Daily Mail.

Por anos, a PETA pediu a Victoria para retirar peles
exóticas de suas coleções – apontando que os consumidores não concordam em
atormentar e torturar animais pela moda – e agora, é hora de outras empresas,
como Louis Vuitton, seguirem este caminho.

O exemplo da Chanel

Em dezembro do ano passado, a grife anunciou que deixaria de usar peles de animais exóticos em suas coleções, tornando-se uma das primeiras grandes marcas de luxo a dar as costas à pele de crocodilo e lagarto.

A nova política da Chanel também banirá peles de animais
como o guaxinim, o vison e o coelho.

Vivienne Westwood e Diane von Furstenberg estão entre as
marcas que proibiram as peles de animais exóticos de suas coleções. 

Apesar de as principais marcas de moda estarem sob forte
pressão para renunciar à pele – com Gucci, Armani, Versace e John Galliano
decidindo ficar livres da pele – a decisão da Chanel de parar de usar peles
exóticas foi um movimento sem precedentes.

Historicamente, as campanhas contra o uso de crocodilos e
produtos de pele de cobra não atraíram a mesma atenção que outros movimentos
similares contra peles, com algumas marcas de luxo até investindo em fazendas
de répteis.

Leia mais em: https://www.anda.jor.br/2019/02/victoria-beckham-anuncia-que-deixara-de-usar-peles-de-animais-exoticos-em-sua-grife/.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Clube dos Animais.