Conhecida popularmente como onze-horas, esta planta tem o nome científico de Portulaca grandiflora. São plantas com folhas suculentas, porte herbáceo e usadas em muitos jardins de forma ornamental. Como ela produz uma flor muito bonita, acabou sendo levada para os quatro cantos do mundo para ser cultivada e assim, atualmente, existem diversas variedades desta planta.

O nome popular “onze-horas” se deve ao período do dia em que os botões florais se abrem, próximo ao meio-dia. O nome acaba mudando de país para país, já que condições diferentes fazem com que o florescimento seja antecipado em algumas horas. Por exemplo, na Índia, ela é conhecida como “nove horas”. No Vietnã, o nome dado é “dez horas”.

Mas por que elas são tóxicas para alguns animais?

As onze-horas são uma espécie da família Portulacaceae. Estas plantas são ricas em diversos nutrientes e são consumidas em várias partes do planeta. Ela é fornecida tanto para alimentação na criação de animais como para os humanos. Porém, para isso deve ser ingerida em pequena quantidade ou ser cozida.

Isto porque as folhas e flores desta planta são ricas em pequenos cristais oxalato de cálcio. Estes cristais têm a forma de agulhas microscópicas que ferem o tubo digestivo do animal que os ingere. A produção destes cristais é variada e depende das condições e recursos a que estão expostas as plantas durante o crescimento.

Os oxalatos são encontrados em células especiais das plantas, os idioblastos. Estes idioblastos podem ter diversas funções, uma delas é a defesa da planta contra a herbivoria. Estes cristais irritam os animais que tentem comê-la. Imagine para um pequeno inseto que terrível seria comer uma folha que está cheia de cacos de vidro.

Ela não é prejudicial somente aos animais muito pequenos. Cães e gatos podem comer plantas que têm estes cristais, que não são veneno, mas irritam o trato digestivo e respiratório deles, levando a morte por hemorragia ou asfixia se não forem tratados rapidamente.

Outras plantas comuns que têm oxalatos são a comigo-ninguém-pode e os copos de leite, os dois da família Araceae.

Fonte: Biologia Total / Utah State University